Comissão da CPMF está ao gosto do governo, diz deputado

A comissão especial da Câmara queexaminará o mérito da proposta de prorrogação da CPMF até 2011foi instalada nesta quarta-feira ao feitio do governo, segundoo deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Relator da proposta de emenda constitucional da CPMF,aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça, Cunha previuprosseguimento tranquilo da questão na comissão especial. "Todos os integrantes foram escolhidos a dedo e a propostasairá da comissão do jeito que o governo deseja", afirmou odeputado, que integra a base aliada. Os 15 integrantes da comissão elegeram como presidente, porunanimidade, o deputado Pedro Novaes (PMDB-MA), mas o relatorainda não foi escolhido. Normalmente, quando uma comissão éinstalada são imediatamente designados o presidente e orelator, mas uma disputa na base aliada retardou a definição doúltimo. O governo gostaria de nomear o ex-ministro Antonio Palocci(PT-SP) como relator, mas outros nomes estão na disputa, entreeles o deputado petista José Eduardo Cardozo (SP). O presidente da comissão convocou uma reunião paraquinta-feira, às 10h, para definir o roteiro de trabalho. Apartir desta quinta começa o prazo para apresentação de emendasque se estende por cinco sessões do plenário. A comissão tem 10sessões para deliberar sobre o tema. O projeto do governo é da extensão pura e simples da CPMF,com a atual alíquota de 0,38 por cento, mas outras seis PECsalternativas apresentam mudanças no texto, incluindo ocompartilhamento da receita com Estados e municípios. Palocci acha que a carga tributária pode ser debatida, masdescarta a eliminação da CPMF. "A carga tem que ser discutida como um todo. Acabar com aCPMF não é solução", afirmou. O deputado Paulo Bornahusen (DEM-SC), do movimento ''XôCPMF'', reiterou que o partido é contra a manutenção do impostoe advertiu os correligionários: "O parlamentar que descumprir(a determinação do partido) poderá pagar com seu mandato." A arrecadação da CPMF para o próximo ano é estimada em 38bilhões de reais, segundo o governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.