André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Comissão da Câmara derruba proposta de relator e mantém figura do vice

Relator defendeu a medida como forma de reduzir gastos do Estado e minimizar instabilidade política

Isadora Peron e Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

10 Agosto 2017 | 11h47

BRASÍLIA - A comissão especial da Câmara derrubou nesta quinta-feira, 10, a proposta do relator Vicente Cândido (PT-SP) e manteve a existência dos cargos de vice para presidente da República, governadores e prefeitos. O placar foi 19 a 6.

Um deputado que era contra a extinção afirmou que, apesar de os petistas estarem “traumatizados” após o impeachment de Dilma Rousseff, a figura de vice era importante para o País. O atual presidente Michel Temer é acusado pelos petistas de trabalhar para a queda de Dilma.

O relator defendeu a medida como forma de reduzir gastos do Estado e minimizar instabilidade política. "Os vices não têm nenhuma função pública. É um acinte. Custam R$ 500 milhões por ano. Quem não tem função não tem de ter assessor", disse Cândido. O petista deu exemplo do México, onde os cargos não existem mais, e disse que no país latino descobriu-se que "vice só conspira".

ENTENDA O QUE É O "DISTRITÃO"

O relatório de Cândido foi aprovado nesta quarta-feira, 9, por 25 votos a 8. A expectativa, no entanto, é de que o texto seja bastante alterado. Com um placar apertado, a alteração do sistema eleitoral para o chamado “distritão” foi aprovada em votação separada, uma vez que a mudança no sistema não estava no relatório do petista. Foram 17 votos a favor, 15 contra e 2 abstenções. O texto do relator mantinha o atual sistema para as próximas eleições, com distrital misto a partir de 2022, sistema pelo qual metade das vagas é preenchida por lista fechada e a outra, pelo voto direto nos candidatos. 

VEJA QUAIS DEPUTADOS VOTARAM A FAVOR DO "DISTRITÃO"

O próximo destaque a ser analisado é para derrubar a proposta de relator de acabar com os suplentes de senador. Pela proposta de Vicente Cândido, o suplente seria o deputado mais votado no Estado. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.