Comissão da Câmara convida general a explicar vigilância a sindicalistas

Parlamentares de outro colegiado vão montar grupo para participar de audiência com José Elito; membros do governo atuaram para evitar convocação

Eduardo Bresciani, de O Estado de S.Paulo

10 Abril 2013 | 12h26

Brasília - A comissão de Trabalho aprovou nesta quarta-feira, 10, um requerimento convidando o general José Elito, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), para prestar esclarecimentos sobre a vigilância de sindicalistas pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin). Outro colegiado, de Fiscalização e Controle, decidiu montar um grupo para participar de uma audiência com o general em seu gabinete. Nas duas comissões, parlamentares tentaram convocar Elito, mas o governo atuou para que medidas mais tênues fossem adotadas.

 

Reportagem do Estado mostrou que a Abin, por ordem do general, monitora o movimento sindical portuário em 15 Estados. Os trabalhadores têm questionado pontos da MP dos Portos. O GSI afirma que a operação é de "rotina", mas sindicalistas ameaçam fazer uma greve geral contra a ação da agência.

 

O requerimento de convocação na comissão de Trabalho foi apresentado pelo deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força Sindical. Após longo debate entre os parlamentares, ele concordou em transformar em convite, mas cobrou que uma data seja marcada até a próxima semana. Caso contrário, insistirá em uma convocação. Além de Elito, foi convidado o diretor-geral da Abin, Wilson Trezza.

 

Vice-líder do governo, o deputado Alex Canziani (PTB-PR) afirmou que o general virá ao Congresso, mas não confirmou que Elito estaria disposto a participar de uma audiência aberta em uma comissão. A ideia é que o general fale a um grupo de parlamentares em sala reservada na liderança do governo na Casa. Paulinho afirma que não aceitará esse formato de explicações.

 

Presidente da Força Sindical, Paulinho seria um dos alvos da investigação da Abin. Durante a audiência, vários deputados manifestaram temor de estarem também sendo monitorado. O deputado Sílvio Costa (PTB-PE) chegou a dizer que todos ali sabiam que tinham seus telefones grampeados.

 

Na comissão de Fiscalização e Controle, a proposta de convocação era do deputado Vanderlei Macris (PSDB-SP). Ele concordou em retirar o requerimento em troca de uma audiência da comissão com o general. O presidente do colegiado, Edinho Bez (PMDB-SC), garante que o encontro acontecerá até a próxima terça-feira.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.