Comissão critica condições de presos do MST

O deputado José Cândido (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de São Paulo, encabeçou um grupo de políticos e advogados que visitou hoje os militantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) presos durante a Operação Laranja, da Polícia Civil, desencadeada na última terça-feira. De acordo com o advogado Bruno de Oliveira, da Rede Nacional de Advogados e Advogadas Populares, o grupo considerou inadequadas as condições em que são mantidos os militantes presos. "O tratamento é o mesmo dado a todos os presos e podemos dizer que é, no mínimo, inadequado", disse.

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Agencia Estado

28 de janeiro de 2010 | 20h23

O grupo visitou os presos nas cadeias públicas de Garça e Barra Bonita, no centro-oeste do Estado. De acordo com Oliveira, as condições dos detentos, em alguns casos, são sub humanas.

Segundo ele, o parlamentar fará um relato das visitas em plenário, na Assembleia.

Os advogados do MST devem entrar esta semana com medidas visando a libertação dos presos. De acordo com Oliveira, as providências não foram tomadas antes porque houve cerceamento de defesa. "Só hoje, na companhia do deputado José Cândido, tivemos acesso ao inquérito."

Tudo o que sabemos sobre:
MSTprisãoCutraleJosé Cândido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.