Andre Dusek/Estadão
Andre Dusek/Estadão

Comissão aprova nome de genro de líder do PMDB para Anac

Advogado Ricardo Fenelon Junior, que é casado com a filha do senador Eunício Oliveira, foi recomendado por Dilma e pelo ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha; entidades da área questionaram nomeação política

Isadora Peron, O Estado de S. Paulo

05 de agosto de 2015 | 10h32

Brasília - A Comissão de Infraestrutura do Senado aprovou nesta quarta-feira, 5, o nome do advogado Ricardo Fenelon Junior para ocupar um cargo na diretoria da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Fenelon casou recentemente com uma das filhas do líder do PMDB, o senador Eunício Oliveira (CE). Durante a sabatina na comissão, nenhum senador sequer questionou o parentesco. A indicação ainda terá que passar pelo crivo do plenário da Casa.

Fenelon recebeu o voto favorável de 19 dos 22 parlamentares presentes na comissão. O outro indicado, José Ricardo Botelho de Queiroz, teve um placar semelhante, com 20 votos a favor.

Em sua exposição inicial, Fenelon procurou destacar que tem experiência na área e não mencionou o fato de ser genro do líder do PMDB. Ele leu um texto no qual elencou alguns pontos da sua trajetória profissional e acadêmica. Disse, por exemplo, que teve a "honra" de trabalhar na Procuradoria da Anac, mas não comentou que a sua passagem pela agência foi como estagiário. Fenelon também destacou a atuação como mediador de conflitos entre passageiros e companhias aéreas no aeroporto de Brasília. 

Durante a sessão de perguntas, o senador Hélio José (PSD-DF) foi o único que mencionou as críticas que Fenelon vinha sofrendo por ser genro de Eunício. Ele, no entanto, disse não concordar com elas. Para o advogado, as crítica "não condizem" com o seu currículo. "Eu tenho profundo respeito por todas essas manifestações, mas eu entendo que muitas dessas críticas não condizem com o meu currículo. Tanto a minha experiência na área quanto a minha formação acadêmica me habilitam para ter sido indicado para o cargo", afirmou.

O fato de Fenelon ser jovem - ele tem 28 anos - também foi relativizado pelos presentes.  "A idade é um entusiasmo", disse o senador Vicentinho Alves (PR-TO).

No final, a sabatina parecia mais uma reunião entre amigos. O presidente da comissão, senador Garibaldi Alves (PMDB-RN), disse, sem conter o riso, que o colegiado havia recebido inúmeras perguntas de internautas, mas como muitas delas não iriam agradar os sabatinados, ele deixaria que os dois escolhessem quais gostariam de responder.

Nas últimas semanas, entidades de pilotos e servidores têm criticado o que chamaram de indicações políticas para a Anac. Em uma carta aberta ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a Associação de Pilotos e Proprietários de Aeronaves (Appa) pediu que a Casa rejeitasse os dois nomes sob o argumento de que eles não têm experiência nem conhecimentos técnicos sobre aviação.

Desde o agravamento da crise, a presidente Dilma Rousseff tem usado a distribuição de cargos do segundo escalão para agradar aliados e tentar garantir a fidelidade deles em votações importantes no Congresso. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.