Começa na 5ª regime de cotas para servidores

A partir de quinta-feira, o governo começa a implantar o regime de cotas para funcionários públicos. Uma portaria, que será assinada pelo ministro da Justiça, Aloysio Nunes Ferreira, vai instituir que 20% de todos os servidores de sua pasta terão que ser mulheres.Outros 20% das vagas serão preenchidos por negros e 5% por deficientes físicos. O ministério já dispõe de um porcentual de funcionários presidiários de bom comportamento.A instituição de cotas para negros foi decidida pelo governo há duas semanas, mas, há pelo menos seis meses, o Ministério do Desenvolvimento Agrário já havia obrigado empresas que prestam serviços no local a colocar 20% de funcionários negros em seus quadros.Aloysio Nunes foi além, estabelecendo que, até o final do próximo ano, o Ministério da Justiça terá que ter 45% de seu quadro formado por mulheres, negros e deficientes.Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), negros não são maioria no mercado de trabalho e nem possuem salários idênticos aos brancos, apesar de serem 55% da população.Para se ter uma idéia, até mesmo no governo federal há poucos negros em cargos de primeiro escalão. As únicas exceções são o diretor-geral da Polícia Federal, Agílio Monteiro Filho, e o presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Sebastião Azevedo.A assinatura da portaria ainda faz parte das comemorações do Dia Internacional dos Direitos Humanos, que terá um ato especial nesta quarta-feira, no Palácio do Planalto, quando o governo anuncia um programa para poder registrar todos os cidadãos brasileiros.Levantamento oficial indica de 31% da população não possui certidão de nascimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.