Combate ao terror não se restringe à área militar, diz Lula

O terrorismo e a insegurança mundial também foram tema de destaque no discurso que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez hoje na ONU. "O necessário combate ao terrorismo não pode ser concebido apenas em termos militares", afirmou Lula. Ele disse que constata com preocupação que persistem graves problemas de segurança, pondo em risco a estabilidade mundial. "Não se vislumbra, por exemplo, melhora na situação crítica do Oriente Médio. Neste, como em outros conflitos, a comunidade internacional não pode aceitar que a violência - proveniente do Estado ou de quaisquer grupos - se sobreponha ao diálogo democrático. O povo palestino ainda está longe de alcançar a autodeterminação a que tem direito", afirmou.Lula disse que é preciso desenvolver estratégias que combinem solidariedade e firmeza, mas com estrito respeito ao direito internacional. Segundo ele, foi assim que o Brasil e outros países da América Latina atenderam à convocação da ONU para contribuir na estabilização do Haiti. "Promover o desenvolvimento com eqüidade é crucial para eliminar as causas da estabilidade secular daquele país", disse o presidente. Lula citou que na América Latina, "apesar dos conhecidos problemas econômicos e sociais", predomina uma cultura de paz. "Vivemos um período de amadurecimento democrático, com uma vibrante sociedade civil. Estamos aprendendo que o desenvolvimento e a justiça social devem ser buscados com determinação e abertura ao diálogo. Os episódios de instabilidade na região (América Latina) têm sido resolvidos com respeito às instituições", afirmou.Lula disse que o Brasil não acredita na interferência em assuntos internos de outros países, mas tampouco se refugia na omissão e na indiferença diante de problemas que afetam os países vizinhos.Leia maisLula defende reforma do modelo de desenvolvimento globalBrasil busca justiça e paz mundial, diz Lula

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.