Combate ao preconceito racial tem destaque

Candidatos apresentam propostas semelhantes, como fortalecer ensino da história africana

O Estadao de S.Paulo

20 de setembro de 2008 | 00h00

O combate ao preconceito racial também aparece com destaque nos programas dos principais candidatos na corrida eleitoral para a Prefeitura de São Paulo. Algumas propostas repetem-se entre eles, tais como fortalecer nas escolas municipais o ensino da história e da cultura africana, seguindo a diretriz federal sobre o assunto; e implantar o Programa de Saúde da População Negra na rede do SUS.Marta Suplicy (PT), que, em sua época de prefeita, criou o Museu Afro-Brasil e instituiu o Dia da Consciência Negra, quer constituir um núcleo especial que orientaria todas as políticas públicas de trabalho e renda do município na área de gênero e raça. Gilberto Kassab (DEM) acena com a ampliação de um programa de bolsas de estudo, criado na atual gestão, em parceria com o Senac, para facilitar o acesso de jovens negros ao mercado de trabalho: eles recebem subsídios de até 80% em áreas de estudos como turismo, paisagismo, moda e enfermagem.Geraldo Alckmin (PSDB)pretende restaurar e manter o patrimônio público ligado à história e cultura da comunidade negra, tais como Igreja do Rosário, Centro de Memória do Viver Afro-brasileiro e o Museu Afro-Brasileiro. Ele também observa que o ensino da história da África ainda patina porque não existem educadores capacitados para levar o projeto adiante. Uma de suas propostas é formar esses educadores.Soninha (PPS) destaca que, de maneira geral, os serviços públicos não estão preparados para atender às necessidades específicas de minorias, entre elas a comunidade negra. Uma de suas promessas é preparar os funcionários municipais para atendê-las mais adequadamente.O candidato do PSOL, o engenheiro Ivan Valente, anuncia que pretende espalhar pela cidade "comitês de bairro de combate ao racismo e valorização da cultura afro-brasileira", além de promover um encontro municipal de religiões de matriz africana. Seria uma forma de proteger o direito à liberdade religiosa desses grupos, que estariam sendo ameaçados por evangélicos. O tema também aparece em programas de outros candidatos.DESVANTAGENSO capítulo do programa de Valente que trata da população negra cita, logo na abertura, o relatório de Desenvolvimento Humano Brasil 2005 - Racismo, Pobreza e Violência (PNUD, 2005), segundo o qual a situação do negro na sociedade brasileira é desfavorável em termos de renda, educação, saúde, emprego, habitação e violência. O estudo aponta que a taxa de homicídios entre os negros é o dobro da dos brancos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.