Combate à dengue em SP começa nas escolas

No Dia Nacional de Combate à Dengue todas as escolas da rede pública estadual organizaram atividades com seus alunos e a comunidade local, para divulgar informações sobre a doença. "Não há saúde sem educação", disse o governador Geraldo Alckmin, na abertura do Dia D, na Escola Estadual Exército Brasileiro. "Essa é a melhor forma de combater a doença."Alckmin reforçou que não há como controlar a dengue sem a participação de toda a sociedade. "Água limpa parace que não faz mal, mas é aí que está o perigo da dengue." A fêmea do mosquito Aedes precisa de recipientes com água acumulada para colocar seus ovos."Vai levar anos para acabarmos com a dengue", afirmou José da Silva Guedes, secretário de Estado da Saúde, que também participou da abertura do Dia D em São Paulo. "Não é da noite para o dia." Guedes explicou que o combatre à dengue não se resume ao Dia D, mas tem de ser contínuo. O dia de ontem tem o objetivo de chamar a atenção da população. "A dengue é grave e sua forma hemorrágica pode matar", alertou Alckmin. A doença é um problema de saúde pública pois atinge pessoas de todas as classes sociais e regiões do País. Ainda não há vacina contra a doença, mas ela pode ser previnida.CartilhaEm Cidade Tiradentes, na zona leste da capital, o secretário municipal da Saúde, Eduardo Jorge, aproveitou o Dia D para lançar a nova cartilha sobre dengue. A meta da secretaria é imprimir dois milhões de exemplares da cartilha para distribuí-los nas escolas. Em formato de gibi, a cartilha ensina as crianças a eliminar os criadouros do mosquito. "E as crianças levam para casa o que aprendem com o gibi", explicou Eduardo Jorge.Foi assim com Alex Lopes dos Santos, de 8 anos. Depois de aprender na escola, as medidas de combate ao mosquito, ele participava hoje de uma gincana em Cidade Tiradentes. As crianças do bairro tinham a tarefa de sair em busca de latas, garrafas, potes e demais objetos que pudessem servir como criadouros do mosquito. Ao entregar os objetos na Unidade Básica de Saúde Tiradentes, elas ganhavam balas e pirulitos. Alex levou garrafas de plástico. "Elas estão no quintal de minha casa", disse o menino. "Vou trazer todas para cá." No ano passado, o estado de São Paulo registrou 51 mil casos de dengue. Este ano foram 41 mil. Das 645 cidades paulistas, 486 estão infestadas pelo Aedes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.