Comando de greve evita comentar integralidade

Os servidores públicos federais em greve estão evitando comentar a idéia, em discussão no governo e no Congresso, de manter a integralidade das aposentadorias dos servidores, na proposta de reforma da Previdência. "Não dá para discutir propostas virtuais", disse o vice-presidente do Andes, entidade de classe dos professores universitários, José Domingues, também integrante do comando de greve. "Sem uma proposta na mão, não dá para fazer elucubração". A greve dos servidores teve prosseguimento, hoje, contando com adesão de 45% a 50% dos funcionários públicos, segundo avaliação do comando de greve. Os auditores da Receita Federal, em greve até hoje, deverão retornar ao trabalho amanhã e, na segunda-feira, em assembléia, fazer nova avaliação de sua participação do movimento. Por seu turno, os funcionários das universidades federais, agregados na Fasubra, decidiram manter sua adesão à greve. Hoje, os funcionários da sede do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) decidiram aderir, o mesmo ocorrendo com parte dos servidores que atuam no setor de recursos humanos do Ministério do Planejamento, 10% dos funcionários do Ministério da Saúde e, também, uma parte dos servidores do Ministério das Relações Exteriores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.