Comandante Moisés é empossado como governador de Santa Catarina

Novo governador prometeu 'reduzir a máquina pública e torná-la eficiente como é o serviço privado'

Aline Torres, Especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

01 de janeiro de 2019 | 19h51

Numa solenidade enxuta e protocolar, no Palácio Barriga Verde, na Assembleia Legislativa, em Florianópolis, comandante Moisés, 51 anos, foi empossado governador de Santa Catarina às 16h30. Mas foi no final da tarde, entre seus companheiros, que ele se mostrou vitorioso ao assumir o cargo máximo do executivo catarinense. Foi banhado com as mangueiras do Corpo de Bombeiros, um batismo para aquele que dedicou mais de duas décadas à corporação.

Moisés é natural de Florianópolis, mas fez sua carreira no Corpo de Bombeiros de Tubarão (a 138 km da capital), onde em 18 anos de serviço passou de comandante a tenente-coronel e corregedor-adjunto. Na reserva, se mudou de volta a capital há dez meses e a convite de Lucas Esmeraldino, presidente estadual do PSL, se tornou primeiro tesoureiro da sigla e em seguida o candidato ao governo.

A eleição em Santa Catarina foi marcada pela por uma disputa entre Mauro Mariani (MDB) e Gelson Merísio (PSD) no primeiro turno - políticos de carreira e representante de partidos que se revezam há décadas no poder. Moisés surpreendeu todas as previsões e foi bem posicionada para o segundo turno - desbancou o rival com quase 72%.

Ele disse que para vencer contou com o apoio maciço dos militares (Bombeiros, Polícia Marinha, Exército e Aeronáutica) no Estado. Ao lado da vice-governadora Daniela Reineth suas primeiras palavras como governador foram os compromissos de transparência, embasados nas promessas anticorrupção, e com a infraestrutura.

Prometeu "reduzir a máquina pública e torná-la eficiente como é o serviço privado". Outra mudança anunciada é a busca de secretários com conhecimento técnico. Amanhã os nomes serão oficialmente anunciados. Mas já é possível adiantar o pronunciamento.

 A Administração ficará a cargo de Jorge Eduardo Tasca, atual chefe do Centro de Inovação da PMSC; a administração Prisional e Socioeducativa continuara com secretário Leandro Lima; a Agricultura e Pesca, com Ricardo de Gouvêa, diretor-executivo do Sindicato das Indústrias de Carnes e Derivados do estado e da Associação Catarinense de Avicultura; a Casa Civil com Douglas Borba, advogado e professor de direito; o Desenvolvimento Econômico Sustentável e Turismo, com Lucas Esmeraldino; o Desenvolvimento Social com Maria Elisa da Silveira de Caro, economista; a Educação com Natalino Uggioni, graduado em ciência; a Fazenda permanecerá com Paulo Eli; a Infraestrutra e Mobilidade com Carlos Hassler, coronel do Exército e a Saúde com Helton de Souza Zeferino, médico e atual comandante do 1° Batalhão dos Bombeiros em Florianópolis.

Amanhã, Moisés também deve divulgar o plano dos cem primeiros dias de governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.