Comandante faz orgia em navio e é preso

Agentes da Polícia Federal no Pará prenderam hoje em Belém o comandante grego Zannikos Markos, do navio Turquoise, de bandeira liberiana. Ele e sua tripulação de 26 homens participavam de uma festa dentro do navio, com seis prostitutas, uma delas menor de 15 anos. Na orgia, que começou no domingo à noite e só terminou na terça-feira pela manhã, foram consumidas bebidas e cocaína. Mas os agentes não encontraram a droga no navio. Markos foi denunciado por duas prostitutas excluídas do programa. O superintendente da PF, Geraldo Araújo, afirmou que Markos foi enquadrado por favorecimento à prostituição (artigo 228 do Código Penal), um crime inafiançável cujas penas variam de dois a dez anos de prisão. "Ele ficará preso à disposição da Justiça Federal e pode até ser expulso do país", disse Araújo. O grego foi preso porque, segundo o superintendente, descumpriu a determinação do documento Passe de Entrada, emitido pela Polícia Federal e que dá permissão à permanência de navio estrangeiro em águas brasileiras. O documento proíbe o ingresso de pessoas não autorizadas pela PF na embarcação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.