Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Comandante do Exército diz que coronavírus é 'a missão mais importante de sua geração'

General Pujol diz em vídeo que Força está preparada para garantir a ordem durante a crise; tropa foi para a rua em Vitória pedir que população fique em casa

Marcelo Godoy e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2020 | 22h36

SÃO PAULO E BRASÍLIA - O comandante do Exército brasileiro, general Edson Pujol, afirmou nesta terça-feira, 24, em vídeo distribuído pela corporação, que a crise do coronavírus "talvez seja a missão mais importante de nossa geração". "Vivemos o enfrentamento de uma pandemia que exige a união de todos nós brasileiros. O momento é de cuidado e de prevenção, mas também de muita ação por parte do Exército brasileiro", afirmou o general. O pronunciamento, que durou 4 minutos e teve mais de 40 mil visualizações em duas horas, mostra a gravidade com que o tema está sendo tratado pela Força e contrasta com as declarações e pronunciamentos feitos pelo presidente Jair Bolsonaro, que insiste em chamar a covid-19 de "gripezinha".

O Exército participará da operação conjunta concebida pelo Ministério da Defesa por meio do Estado Maior das Forças Armadas. Foram estabelecidos dez comandos conjuntos, que dividem o País. Oito deles estarão a cargo de generais do Exército e dois de almirantes – Natal e Salvador. Hoje, tropas do Exército saíram às ruas em Vitória (ES) a pedido da prefeitura da cidade para auxiliar as forças de segurança locais a conscientizar a população a permanecer em casa. O motivo da atuação é que o caráter coercitivo do Exército é muito maior do que o de uma guarda municipal para mandar as pessoas saírem das ruas.

"Após rápido e minucioso exame da situação, que se mostra extremamente dinâmica, diretrizes foram expedidas pelo Comando do Exército e, em nível setorial, pelo Comando de Operações Terrestres, pelo Departamento de Pessoal e pelo Departamento de Educação e Cultura", afirmou Pujol. No caso das escolas militares, só as que funcionam em regime de internato continuam com aulas, as demais estão com ensino a distância.

A mensagem do comandante foi gravada antes do pronunciamento presidencial e sem que Pujol soubesse o que Bolsonaro ia falar na TV à noite, quando voltou a desprezar a pandemia e seus efeitos. Até a noite desta terça, a covid-19 já havia deixado 46 mortos no Brasil e infectado ao menos 2.201 pessoas. "Uma de nossas responsabilidades com a Nação nesse momento de crise é que nossa tropa deve manter a capacidade operacional para enfrentar o desafio e fazer a diferença. Talvez seja a missão mais importante de nossa geração."

De acordo com Pujol, estão ainda sendo tomadas medidas para proteger a saúde dos militares. "Os integrantes do sistema de saúde são os nossos combatentes da linha de frente. Esses profissionais estão dando exemplo de coragem e comprometimento contra a doença". O comandante também se dirigiu à reserva e aos familiares de militares. "Contamos com a ajuda de todos. O momento exige união e organização, cuidado especial com a nossa saúde e com a dos que nos cercam para que possamos superar mais este desafio."

Por fim, o general deixou claro que o Exército estará preparado para garantir a ordem caso seja necessário. "O braço forte atuará se for necessário. E a mão amiga estará mais estendida do que nunca aos nossos irmãos brasileiros. Se a nossa Pátria amada está sendo ameaçada, lutaremos sem temor", concluiu o comandante.

Dos militares que vão comandar as ações contra a doença, sete serão os comandantes de área. Assim, em São Paulo, esse posto caberá ao comandante militar do Sudeste. A exceção será no Nordeste, pois a região foi dividida em três. Ali haverá três comandos, dois da Marinha e um do Exército. Outras estruturas do Exército serão mobilizadas.

Os cenários com os quais a Força e o Ministério da Defesa estão trabalhando contemplam a pertubação da ordem durante a pandemia. Eles foram traçados pela área de inteligência das Forças Armadas. O Exército espera atuar apenas como "mão amiga" de Estados e municípios, mas estará preparado para ser o braço forte, uma alusão ao seu lema, para impor a ordem. O plano de mobilização para a crise está a cargo do Ministério da Defesa. Dentro desse esforço, o Exército está se preparando para cuidar de doentes e atuar no transporte de materiais, suprimentos e equipamentos, em apoio logístico às autoridades civis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.