Com voto de Cármen Lúcia, Delúbio e Valério são condenados por corrupção ativa

Voto de ministra completa a maioria necessária no STF para condenar os réus do julgamento do mensalão

Eduardo Bresciani - Agência Estado,

09 de outubro de 2012 | 16h26

A ministra Cármen Lúcia deu o sexto voto pela condenação por corrupção ativa do ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares, e do empresário de publicidade Marcos Valério no processo do mensalão. Com isso, já há maioria para condená-los, assim como os ex-sócios de Valério, Ramon Hollerbach e Cristiano Paz, e a ex-diretora da SMP&B Simone Vasconcelos.

Cármen Lúcia aproveitou para fazer severas críticas à defesa de Delúbio, em especial ao advogado Arnaldo Malheiros Filho. Ela destacou que da tribuna do Supremo Tribunal Federal (STF) o advogado admitiu a prática de ilícito, ainda que tenha tentando resumir o esquema a caixa dois de campanha.

"Essa fala nos atinge. Acho estranho e grave que alguém diga com tranquilidade que houve caixa dois. Caixa dois é crime, é uma agressão a sociedade, mesmo que tivesse sido isso, ou só isso, e isso não é só, não é pouco. Dizer isso no tribunal me parece que é grave porque passa a ideia que ilícito pode ser praticado e tudo bem. Não é tudo bem", disse a ministra. Ela afirmou ainda que a confissão era "inusitada e inédita" em sua carreira jurídica.

Em relação ao núcleo publicitário, a ministra afirmou que há provas contra Valério, Ramon, Cristiano e Simone e destacou a unanimidade do tribunal até agora. Ela condenou ainda Rogério Tolentino. No caso deste ex-advogado está quatro votos a dois pela condenação. Cármen Lúcia absolveu apenas a ex-funcionária da agência Geiza Dias e o ex-ministro dos Transportes Anderson Adauto. Nestes casos, todos, até agora, votaram pela absolvição.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalaomensalãojulgamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.