'Com um monte de gente ele foi citar bem o meu nome?'

Em entrevista ao Estado, Ademir Estevam Cabral nega envolvimento com violação dos dados de Verônica Serra

Bruno Tavares, Marcelo Godoy e Fausto Macedo/SÃO PAULO, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2010 | 20h44

Você conhece o Atella faz cinco anos?

Exatamente. Trabalhava pra irmã dele. Depois que ele se formou contador, aí passei a dar trabalho para ele.

 

Ele diz que você pediu pressa para obter cópia das declarações de renda da Verônica Serra porque tinha gente de Minas e Brasília vindo buscar. Essa conversa existiu?

Desconheço. Desconheço totalmente isso aí. Meus clientes são todos aqui de São Paulo. Eu estranhei quando ele falou isso.

 

Você conhece a Verônica Serra?

Não conheço. Verônica eu não conheço e não dei entrada em nenhuma procuração com esse nome.

 

Ficou surpreso quando descobriu que ele estava falando isso?

Ele me ligou e falou 'Oh Ademir, você viu a televisão?'. Eu disse que vi. Mas até aí ele não tinha citado o meu nome. Aí ele pediu pra gente conversar na hora do almoço. E eu disse que sim, por que não? Depois disso ele não ligou mais. Aí soube que ele tinha citado meu nome. Agora, com um monte de gente ele foi citar bem o meu nome?

 

Você ia à delegacia da Receita em Mauá?

Nunca fui nem em Mauá e nem em Santo André.

 

Em quais postos você ia?

Na Luz, na Lapa.

 

Conhece as servidoras Adeildda, Antonia Aparecida?

Nunca vi na minha vida.

 

Você falou com o Atella depois que seu nome foi citado?

Não falei nada. Inclusive hoje ele disse que ia estar lá. Aí ele não compareceu. Precisa fazer uma acareação. Precisamos colocar os pingos nos is. Ele não foi hoje. Ele deve estar esperando ver o que eu falei pra ele ir lá amanhã e falar outra coisa. Ele sabia que eu estava lá (hoje).

 

Você sabia que ele ia depor hoje?

Fiquei sabendo que ele estava intimado lá na delegacia. Aí o doutor falou que ele ia vim e perguntou se podia fazer uma acareação. Eu disse claro que pode.

 

Você está tranquilo?

Eu não estou assustado, a questão é a imprensa. Eu não gosto de aparecer, tirar foto. Nas intimações, se me mandam eu vou lá e compareço.

 

Como é o seu trabalho?

Eu dou entrada em documento e retiro documento. O meu forte é a Junta Comercial.

 

Quanto cobra?

50 reais.

 

E você agiliza os documentos?

As pessoas não gostam de pegar fila, né? Então eu vou, tem lugar que eu tiro mais rápido.

 

Quando você encontrar o Atella, o que você vai dizer pra ele?

Quero resolver o problema dele e o meu. Ele tá dizendo que sou eu, mas eu sei que não sou eu. Se fosse minha (a procuração) estaria no meu nome. Como ele tem vários clientes, quero ver se ele consegue achar alguma coisa pra poder se safar dessa. Eu tenho plena convicção de que esse documento não é meu. Todos os meus documentos eu olho.

 

Por que o Atella fez isso com você?

Não sei. Vai ver que o primeiro nome que veio na cabeça dele foi o meu. Como a gente fazia muito pesquisa, só pode ser isso. Mas essas documentos grandes eu nunca passei pra ele. E outra: eu teria certeza se essa procuração fosse minha. Ela estaria em meu nome, não em nome dele. Pra que eu ia colocar o nome dele? Além disso, eu estaria perdendo dinheiro.

 

Mas ele fala que recebeu de você um pacote com 18 pedidos?

É isso que eu quero saber.

 

Você nunca entregou esse lote para ele?

Dezoito pedidos não. Dezoito procurações em nome dele não. Se eram 18 teriam que aparecer, né? Por que só apareceu essa? Tinha que aparecer todas. Isso que eu não entendo.

 

Quem são os clientes do Atella?

Ah, não conheço. Os que eu fazia para ele é empresa. Eu dava entrada na Junta e retirava. Inclusive a semana passada entreguei dois processos de clientes dele da Santa Ifigênia. Ele tem bons clientes, uma carteira boa de clientes.

 

Partidos políticos?

Partido político não. Eu nem sabia que ele era do PT. O cara nunca discutiu política comigo.

 

Você é filiado ao PV?

Minha cidade é pequena, tenho amigos e eles me filiaram ao PV. Mas não por interesse político.

 

Nunca teve atividade partidária?

Nunca. Nunca fui candidato a nada. Fui em festa, comício na rua. Só isso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.