Com PSOL, disputa pela presidência da Câmara já tem quatro candidatos

Candidatura de Chico Alencar vem se somar às de Marco Maia, Sandro Mabel e Jair Bolsonaro

Denise Madueño, de O Estado de S.Paulo,

01 de fevereiro de 2011 | 16h16

BRASÍLIA - O PSOL decidiu nesta terça-feira, 1º, lançar o deputado Chico Alencar (RJ) na disputa pela presidência da Câmara, elevando para quatro os postulantes pelo cargo. A candidatura vem se somar às de Marco Maia (PT-RS), que aparece como favorito, com o apoio de 21 dos 22 partidos da Casa, e dos deputados Sandro Mabel (PR-GO) e Jair Bolsonaro (PP-RJ). Assim como Alencar, Bolsonaro resolveu inscrever seu nome como candidato nesta terça, faltando poucas horas para o pleito.

 

Veja também:

 

link Favorito, Maia registra candidatura à presidência da Câmara

 

link Mabel registra candidatura à presidência: 'não sou covarde, vou até o fim'

 

link Bolsonaro lança candidatura à presidência da Câmara; agora são 3

 

link Deputado que 'se lixa' para opinião pública é candidato para Mesa

 

link Popstar na posse, Tiririca diz que já esperava o assédio

 

"Nossa proposta para a Câmara não é corporativista, não queremos construir prédio de gabinetes. Queremos aprovar o fim do trabalho escravo, o fim do voto secreto no parlamento. Queremos a destinação de 10% do Produto Interno Bruto para a educação e temos propostas de transparência e de ética para a Câmara", afirmou o líder do PSOL na Câmara, deputado Ivan Valente (SP).

 

O partido decidiu lançar a candidatura de Alencar depois de não conseguir espaço na sessão convocada para a eleição da Mesa, quando pretendia defender suas propostas, pregando autonomia, soberania, transparência e ética para a Casa. Na reunião de líderes, que terminou há pouco, Valente pediu espaço para o partido expor suas posições em contraposição às promessas dos outros candidatos, mas não houve acordo. "O partido vai demarcar uma proposta alternativa", disse.

 

O PSOL tem apenas três deputados e foi o único dos 22 partidos que não formou bloco parlamentar na Câmara. O PSOL foi também a única legenda que defendeu voto contrário ao aumento de 61,83% para os salários dos deputados, que elevou os vencimentos dos parlamentares de R$ 16.512 para R$ 26.723, aprovado em dezembro passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.