Com pedidos, Sarney vive pior dia político desde início da crise

DEM, PSDB e o PDT pediram formalmente o seu afastamento do comando da instituição até fim das investigações

Denise Madueño, Christiane Samarco e Eugênia Lopes, de O Estado de S.Paulo,

30 de junho de 2009 | 18h41

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), teve nesta terça-feira, 30, o seu pior dia político desde o início da crise na Casa. O DEM, o PSDB e o PDT pediram formalmente, depois de reunirem suas bancadas, o seu afastamento do comando da instituição até a conclusão das investigações, o PSOL entrou com representação no Conselho de Ética contra ele e senadores e líderes discursaram no plenário pedindo sua saída temporária.

 

Veja também:

som Ouça o discurso de Simon pedindo afastamento de Sarney

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

lista Confira a lista dos 663 atos secretos do Senado

documento Leia a íntegra da defesa do presidente do Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

lista O ESTADO DE S. PAULO: Neto de Sarney agencia crédito no Senado

linkPSOL protocola representação contra Sarney e Renan

linkNo Twitter, Agripino se antecipa e recomenda licença

 

Além disso, foi procurado pelo PSDB com uma alternativa de criação de uma comissão com todos os poderes de realizar mudanças na Casa em troca de não pedir o seu afastamento da presidência. O presidente ficaria em uma posição de "rainha da Inglaterra", mantendo-se no cargo, mas sem poderes efetivos para resolver a crise. Sarney não aceitou. A pressão também partiu da família de Sarney para que ele deixe o comando do Senado.

 

No plenário, Sarney esteve apenas pela manhã, presidindo sessão solene em comemoração ao 50º aniversário da Confederação dos Servidores Públicos do Brasil, enquanto os partidos decidiam o rompimento com o presidente da Casa. À tarde, quando a pressão aumentou, Sarney ficou em seu gabinete. Durante todo o dia, surgiram rumores de que Sarney se afastaria temporariamente ou até mesmo renunciaria ao cargo. Aliados de Sarney comentam que ele ainda tem o apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva o que lhe garante uma maioria para permanecer no cargo. A bancada do PT vai se reunir hoje a noite para tomar uma posição formal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.