Com o gabinete em reforma, Lula despacha em SP hoje e amanhã

Como o seu gabinete no Palácio do Planalto está interditado durante toda a semana, para substituição dos vidros, por novos e blindados, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva permanecerá despachando em São Paulo pela primeira vez, por dois dias. Ainda não será no escritório que está sendo montado para ele, no 11º do prédio do Banco do Brasil na Avenida Paulista, na esquina com a Augusta. Como as obras do novo gabinete ainda não estão completamente prontas, ele ficará numa sala do sétimo andar, onde terá uma reunião com intelectuais. O gabinete paulista será o primeiro de diversos que o presidente Lula pretende reativar para uso em vários Estados. Sete funcionários estão lotados no escritório de São Paulo. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso nunca usou o escritório paulista da Presidência da República. Quem utilizava as instalações no governo passado era secretário de Comunicação, Andrea Matarazzo. Lula decidiu reativar esse gabinete para poder ficar mais perto da família, que mora em São Bernardo do Campo; quem o administra é o assessor especial da Presidência, José Carlos Espinoza. Mas ainda preocupa o governo os problemas que podem surgir, principalmente em relação ao trânsito da região, com a presença do presidente da República em uma das principais avenidas paulistanas. A segurança no local também precisará ser reforçada. O programa paulista O presidente Lula participará de um almoço oferecido pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) à delegação internacional do 8º Congresso Nacional da central, no hotel Renaissance. O presidente terá encontros com empresários e amanhã participará da sessão plenária do congresso da CUT. É a primeira vez que um presidente da República participa de um encontro de central sindical.Na quinta-feira, Lula concederá todas as audiências no Palácio da Alvorada. Na sexta-feira, ele embarca para Mato Grosso, onde inaugura um trecho da Ferronorte e depois participa de uma feira internacional do Pantanal, em Cuiabá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.