Com nova lista de Janot, deputados cobram Maia sobre anistia ao caixa 2

Presidente da Câmara foi questionado sobre o assunto tanto em plenário quanto durante reunião de líderes da Casa

Isadora Peron e Daiene Cardoso, O Estado de S. Paulo

14 de março de 2017 | 18h52

Brasília - Deputados cobraram nesta terça-feira, 14, que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se posicione contra a votação de um projeto de anistia à prática de caixa 2. Maia foi questionado sobre o assunto tanto em plenário quanto durante reunião de líderes da Casa.

O debate sobre o tema ganhou força no dia em que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) a nova lista de pedidos de abertura de inquéritos da Operação Lava Jato, com base nas delações da Odebrecht.

"Quem fala pela Casa é Vossa Excelência. Convoque uma entrevista coletiva, e diga: 'Enquanto eu for presidente desta Casa, eu não vou pautar esse projeto'", sugeriu, da tribuna, o deputado Sílvio Costa (PTdoB-PE).

Costa afirmou que Maia estava sendo um bom presidente da Câmara, mas que precisava deixar claro para a sociedade de que os deputados não iriam fazer essa "patifaria". Ao final da fala do parlamentar, Maia limitou-se a agradecer os elogios.

O líder do PSOL, deputado Glauber Braga (RJ), também afirmou que questionou Maia durante uma reunião e que ele teria dado respostas evasivas sobre o assunto. Segundo o deputado, o presidente da Câmara afirmou que essa pergunta deveria ser feita ao relator da comissão que debate Reforma Política, o deputado Vicente Cândido (PT-SP), mas que não havia previsão para que o tema fosse votado nas próximas duas semanas.

Na semana passada, Maia defendeu que o debate sobre a anistia ao caixa 2 deveria ser feito de maneira "transparente", para que fique claro para a população o que o Congresso está discutindo.

Por enquanto, porém, não há nenhum deputado que tenha tido coragem de assumir a autoria do texto com a proposta de anistia. Há a possibilidade de que a medida seja debatida na comissão da Reforma Política ou que seja incluída no projeto de lei que retira poder de fiscalização e de punição do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em relação aos partidos políticos.

No ano passado, houve ao menos duas tentativas de votar um texto para anistiar o chamado caixa 2, que são doações de campanha não contabilizadas e não declaradas à Justiça Eleitoral. O grande objetivo dos parlamentares, porém, é estabelecer um perdão para quem recebeu dinheiro de maneira ilícita, como tem sido revelado pelas investigações da Lava Jato. Essa articulação voltou a ganhar força após o senador Valdir Raupp (PDMB-RO) virar réu no Supremo por ter recebido dinheiro de suposta propina em doação registrada na Justiça Eleitoral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.