Beto Barata/AE
Beto Barata/AE

Com líderes da oposição fora, audiência com Orlando tem elogio até de tucano

Deputados se retiraram porque alegaram que desejam ouvir o policial militar João Dias fazer as acusações formalmente na Casa antes de questionar ministro

Eduardo Bresciani, do Estadão.com.br,

18 de outubro de 2011 | 18h50

Depois de os líderes dos partidos de oposição saírem da sala da Câmara onde se realiza a audiência com o ministro do Esporte, Orlando Silva, a sessão se transformou em uma competição de elogios. Deputados de diversos partidos fizeram as mais diferentes declarações de apoio ao ministro. Os líderes da oposição se retiraram porque desejam ouvir o policial militar João Dias fazer as acusações formalmente na Casa antes de fazer questionamentos a Orlando Silva.

 

Os elogios não foram recebidos apenas de integrantes da base aliada. O deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) destacou a atuação de Orlando de buscar dar esclarecimentos e lembrou que o ministro já tinha ido bem quando foi acusado de irregularidades em relação a gastos com cartões corporativos. “A postura de vossa excelência bate com o que espero de um ministro de estado. Seja pela transparência, seja por sua atitude republicana”.

 

O elogio de Sampaio não foi a única manifestação favorável vinda da oposição. O deputado Fernando Francischini (PSDB-PR), que é delegado da polícia federal, logo no início da reunião, destacou não ver culpa nos olhos de Orlando. “Estou acostumado a ouvir bandido não vi traço de alguém que recebeu pacote de dinheiro”. O deputado paranaense chegou a questionar Orlando sobre algumas ações da pasta, mas esta sua declaração foi destacada várias vezes por governistas.

 

O líder do PT, Paulo Teixeira (SP), foi um dos primeiros a elogiar Orlando. “Quando li a reportagem da revista Veja me somei com seu sofrimento. Foi importante acompanhar a combatitividade , o aguerrimento na defesa não só do seu programa, mas da sua honra”. O líder do PMDB, Henrique Eduardo Alves (RN), manifestou apoio e aproveitou para concluir dizendo que esperava que o PMDB fosse melhor tratado pelo ministério no futuro.

 

Cândido Vaccarezza (PT-SP), líder do governo, deu uma amostra de qual a expectativa dos aliados em relação ao depoimento do ministro. “A fala de vossa excelência aqui encerra este debate. Quero que volte outras vezes para falar da Copa e das Olimpíadas”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.