Com ironia, Plínio rouba cena e vira hit no Twitter

Candidato do PSOL roubou a cena dos favoritos nas pesquisas, com falas irônicas e provocativas

Flávia Tavares, de O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2010 | 01h13

SÃO PAULO - Ele não tinha nada a perder e, assim, foi ao debate para, realmente, debater. Plínio de Arruda Sampaio (PSOL) roubou a cena dos favoritos nas pesquisas, com falas irônicas e provocativas. Sem exagerar números, criticou o excesso de convergências entre os oponentes e se posicionou como a real divergência. "Sou a diferença", autoproclamou-se. O desempenho de Plínio lhe rendeu a liderança mundial nos tópicos mais populares do Twitter - com comentários de apoio ou de sátira.

 

Como foi professor, falou com naturalidade. E não poupou ninguém. Acusou Marina Silva (PV) de manter o discurso petista e de ser uma "ecocapitalista". "Não há como proteger o meio ambiente sem atacar o lucro", decretou.

 

Chamou José Serra (PSDB) de "hipocondríaco", por só saber falar de saúde e o tachou de "a favor do latifúndio", quando o tucano afirmou ser contra a desapropriação de terras com mais de 1 mil hectares, uma das principais propostas de Plínio. Quanto a Dilma Rousseff (PT), o candidato a acusou de maquiar números ao falar de reforma agrária. "Quem fez o programa da reforma agrária do Lula fui eu. (Vocês) Fizeram menos que o Fernando Henrique."

 

Antes disso, criticou o fato de Dilma e Serra monopolizarem a conversa e alfinetou: "Se vocês dois fizerem blocão, vou fazer bloquinho com Marina." Em diversos momentos, arrancou risos da plateia. No encerramento do debate, voltou a lamentar o tom "poliana" do encontro. "Para superar o muro entre as suas aspirações e a realidade do País é só com luta", finalizou, olho fixo na câmera.

 

Lanterninha. A produção da TV Bandeirantes encontrou, na última hora, um lugar para a mulher de Plínio na plateia. Sua companheira, Marieta, ocupou, sem alarde, a sexta fila.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.