Com humor, oposição critica mínimo proposto pelo governo

Deputados do PFL estão exibindo da tribuna da Câmara, ao discursarem, saquinhos de meio quilo de fubá, em sessão destinada à votação da medida provisória que fixa em R$ 260,00 o valor do salário mínimo. Essa atitude dos pefelistas, que defendem um mínimo de R$ 275,00, é uma referência ao fato de que R$ 15,00 a mais no salário mínimo equivalem a 50 centavos ao dia, o que daria para o trabalhador assalariado comprar um saquinho de meio quilo de fubá por dia. Um salário mínimo de R$ 275,00 é o que está sendo proposto também pelo PSDB. Os defensores de um mínimo de R$ 275 exibem o número "275" na lapela do paletó. Os deputados do PFL e PSDB, ao final de cada discurso de deputado governista que defende os R$ 260,00, estão cantando o refrão "Você pagou com traição/a quem sempre lhe deu a mão". Nas galerias, há poucas pessoas assistindo à sessão. O líder do governo, deputado Professor Luizinho (PT-SP), discursou há pouco, fazendo defesa enfática dos R$ 260,00 e, ao final, foi vaiado por oposicionistas. O deputado Eduardo Paes (PSDB-RJ), que deve exibir durante seu discurso um cartaz com a foto de petistas durante votação, no governo Fernando Henrique, fazendo gesto com os dedos para sinalizar que o novo salário mínimo de R$ 220,00 era muito pequeno. Na foto, estão, entre outros, os então deputados Antonio Palocci, hoje ministro da Fazenda, Ricardo Berzoini (Trabalho), José Dirceu (Casa Civil) e Aloizio Mercadante, atual líder do PT no Senado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.