Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Com greve, menções negativas a Michel Temer aumentam no Twitter

Levantamento da FGV indica que usuários publicaram 1,14 milhão de mensagens sobre a greve; 123 mil criticam o presidente

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

28 Maio 2018 | 15h03

SÃO PAULO - A greve dos caminhoneiros continua dominando o debate entre internautas no Twitter, mas o volume de menções à paralisação diminui em relação ao pico registrado na última sexta-feira, 25, conforme monitoramento da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Apesar disso, menções negativas ao presidente Michel Temer aumentaram na rede social.

+ Greve faz palavra 'caminhoneiros' ganhar força nas redes sociais

Nas últimas 24 horas, foram publicadas 1,14 milhão de mensagens sobre a greve, de um total de 7 milhões de publicações nos últimos sete dias, de acordo com a Diretoria de Análise de Políticas Públicas (Dapp) da FGV. Na sexta-feira, o órgão registrou 1,97 milhão de tuítes sobre a paralisação.

A presença do nome do presidente Michel Temer nas publicações vem aumentando nos últimos sete dias, mostra o levantamento. Na última sexta, quando o governo editou o decreto autorizando o uso das Forças Armadas nos bloqueios em rodovias, 177 mil publicações fizeram referência ao presidente.

+ 'Mundo requer escuta, não adianta dar ordem', diz FHC sobre greve

Nos últimos sete dias, a expressão #ForaTemer foi mencionada em 123 mil publicações, com pico na sexta-feira (35 mil). Entre 14 horas de domingo e 14 horas da segunda-feira, 28, período em que Temer fez um pronunciamento na televisão para anunciar novas concessões aos caminhoneiros, a expressão registrou crescimento, diz a FGV, e teve mais 35,4 mil tuítes.

Mais conteúdo sobre:
Michel Temer greve caminhoneiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.