Andre Dusek/AE
Andre Dusek/AE

Com dores, Dilma Rousseff volta para hospital em São Paulo

Ministra-chefe da Casa Civil passa por quimioterapia contra um linfoma na axila; ela fará exames

Fábio Michel, da Central de Notícias, e Agência Estado,

18 de maio de 2009 | 22h53

A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, que embarcou no final da noite desta segunda-feira, 18, em um avião ambulância com destino a São Paulo, chegou por volta das 3 horas desta terça-feira, 19, ao Hospital Sírio-Libanês. Em Brasília, mais cedo a ministra se queixou de dores nas pernas e chegou a receber medicação na veia. Como as dores não passaram, a equipe médica responsável pelo tratamento a que ela está sendo submetida recomendou que ela fosse imediatamente levada para um hospital para a realização de exames na capital paulista. 

 

Dilma passou a segunda-feira no Centro Cultural Banco do Brasil, em Brasília, no gabinete em que vem trabalhando desde o início da reforma no Palácio do Planalto. À tarde, ela se encontrou com o presidente interino José Alencar, o ministro da Integração, Geddel Vieira Lima, e o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles.

 

A ministra só deixou o local às 18 horas. Na portaria, disse que não daria entrevistas por ter compromissos, sem dar detalhes. Seguiu então para o Hospital das Forças Armadas, onde recebeu analgésicos. À noite, quando Dilma estava a caminho de São Paulo, o Palácio do Planalto informou que as dores já haviam passado e o motivo da viagem era a necessidade de uma avaliação médica.

 

Na última sexta-feira, a ministra disse que se sentia bem após ter passado pela segunda sessão de quimioterapia, realizada na quinta-feira em São Paulo. Potencial candidata à sucessão presidencial em 2010, Dilma revelou em 25 de abril ter um câncer linfático. No total, ela terá de fazer tratamento quimioterápico a cada três semanas durante quatro meses para combater a doença. As dores, segundo a equipe médica, podem ser uma reação ao tratamento.

Em entrevista concedida na Base Aérea de Brasília depois de se despedir do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que viajou ao exterior, a ministra respondeu as críticas de que sua agenda oficial indicava que ela tinha compromissos em Brasília enquanto a quimioterapia era realizada no Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista.

"Eu nunca vou antecipar quando será e quando não será porque é um momento de tratamento. É um momento muito particular", destacou. "Todas eu vou só avisar depois."

 

Texto atualizado à 3h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.