Marco Ambrosio
Marco Ambrosio

Com direito a banda de forró, entrega de obra vira 'passagem de bastão' de Alckmin a França

Tucano agradeceu vice do PSB e afirmou que São Paulo estará em boas mãos a partir de sexta-feira

André Ítalo Rocha, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2018 | 13h56

A uma semana de deixar o posto de governador de São Paulo para poder se candidatar a presidente, Geraldo Alckmin (PSDB) inaugurou neste sábado mais uma linha do trem que liga São Paulo a Guarulhos. O evento, no entanto, acabou se transformando numa passagem de bastão do tucano para o vice-governador Márcio França (PSB), que assume o governo na sexta-feira e, como pré-candidato a governador, será adversário do afilhado político de Alckmin, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB).

+++ Alckmin entrega obra que só vai funcionar em 90 dias

O evento, que contou até com banda de forró, ocorreu na estação Aeroporto-Guarulhos, onde termina a linha inaugurada hoje (13-Jade, da CPTM). No palco montado um pouco antes da catraca, subiram vereadores de Guarulhos, deputados federais paulistas, o prefeito da cidade, Guti (PSB), o vice-governador Márcio França e o governador Geraldo Alckmin.

Os discursos de França e Alckmin foram deixados para o final. Antes deles, quem tomava o microfone sempre reservava um pouco da sua fala para elogiar o trabalho do governador e demonstrar confiança na capacidade do vice-governador de assumir o Palácio dos Bandeirantes. "Tenho certeza que o Márcio vai dar continuidade a esse trabalho, ele tem um compromisso conosco", afirmou o deputado federal Jorge Tadeu (DEM-SP), natural de Guarulhos.

+++ 'A lei tem de ser cumprida', diz João Doria sobre Operação Skala

O prefeito Guti, que é do mesmo partido de França, exaltou a lealdade do vice-governador. "Lealdade é uma coisa rara na política e o Alckmin encontrou isso nele", afirmou. "Tenho a honra de ter aqui comigo o homem que está pegando o bastão. O Alckmin, há quatro anos, quando escolheu o seu vice, escolheu o próximo governador. Foi um visionário", acrescentou.

Quando chegou a sua vez de falar, logo após Guti, França foi econômico no tempo, mas não deixou de elogiar o governador. Em fala de pouco mais de dois minutos, afirmou que Alckmin "soube superar as dificuldades que o Estado passou e que o Brasil passou". "Aguentou cada um dos trancos", declarou, sem fazer nenhuma menção à disputa eleitoral deste ano.

+++ Alckmin não vê problema em fazer campanha para 2 candidatos em SP

Alckmin, que discursou por 12 minutos, fez questão de ressaltar que será França o responsável por inaugurar várias outras obras ainda pendentes até o final do ano. Ao fazer uma brincadeira com o prefeito Guti, dizendo que ele ainda tem muito cabelo para perder no comando da Prefeitura, citou mais uma vez o vice-governador. "Eu e o Márcio França, quando fomos prefeitos, também éramos cabeludos."

Ao final do seu discurso, o governador fez uma última menção ao vice-governador, ao se dizer grato pela parceria nos últimos quatro anos. "São Paulo estará, a partir de sexta, em boas mãos, mãos experientes, mãos competentes e mãos honradas", afirmou. Encerrado o evento, a banda de forró começou a tocar, enquanto dezenas de pessoas aguardavam a abertura dos portões para que pudessem usar o trem.

Doria. Embora já tenha declarado apoio à pré-candidatura de Doria a governador de São Paulo, Alckmin não participou neste sábado de evento com o prefeito, que entregou pela manhã o projeto de paisagismo Marginal Verde, realizado em parceria com o governo estadual. Enquanto Doria participava desse evento sem o governador, o vice-governador Márcio França publicava nas redes sociais uma foto com Alckmin, durante trajeto inaugural da linha de trem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.