Com desenvoltura pelo Planalto, Dirceu afirma: ‘Nunca saí daqui’

Ex-ministro é citado por Lula em discurso no qual presidente fez balanço de seus dois mandatos; Marina também foi lembrada

Vera Rosa, de O Estado de S.Paulo,

15 Dezembro 2010 | 20h42

BRASÍLIA - Desinibido e sorridente, José Dirceu foi o ex-ministro mais requisitado na cerimônia em que o presidente Lula apresentou a prestação de contas de seus dois mandatos. Ao ser questionado pelo Estado sobre qual era o seu sentimento ao retornar ao Palácio do Planalto, cinco anos e meio após sua queda, Dirceu não hesitou: "Eu nunca saí daqui".

 

Abatido no rastro do escândalo do mensalão, em 2005, acusado de chefiar uma "quadrilha" no coração do governo, o ex-chefe da Casa Civil circulou com desenvoltura no Salão Nobre do Planalto, onde foi realizada a solenidade. Ao lado da mulher, Evanise, Dirceu posou para fotos com vários convidados da plateia e conversou com colegas de sua época, como Márcio Thomaz Bastos, ex- ministro da Justiça. Na plateia, sentou-se bem longe de Antonio Palocci, ex-titular da Fazenda e futuro ministro da Casa Civil do governo Dilma Rousseff. Nos últimos tempos, os dois têm travado uma queda de braço por causa de indicações para a nova equipe.

 

Dirceu cumprimentou a presidente eleita, Dilma Rousseff, e Lula, no fim da cerimônia, e subiu a rampa de acesso ao terceiro andar do Planalto, onde fica o gabinete presidencial. No mês passado, Lula prometeu ao ex-chefe da Casa Civil desmontar o que chamou de "farsa do mensalão", empenhando-se pela reforma política.

 

Ao prestar homenagem a todos os companheiros que deram "colaboração extraordinária" ao governo, o presidente citou Dirceu duas vezes em seu discurso. Na décima fileira, foi logo avistado. "Estou vendo o companheiro Zé Dirceu ali", apontou Lula.

 

O presidente agradeceu à equipe atual e aos ex-ministros, sob o argumento de que todos o ajudaram a enfrentar dificuldades. "Nem todo mundo tem coragem de conviver com momentos difíceis", insistiu.

 

Na segunda vez em que citou Dirceu, Lula deu a ele o crédito por se aproximar do empresário José Alencar, hoje vice-presidente. "Eu não queria ir a uma festa empresarial. Fui por insistência do Zé Dirceu, que era presidente do partido (PT). E lá conheci o Zé Alencar", contou.

 

Erenice

 

Embora o Planalto tenha distribuído convites a todos os ex-ministros para a cerimônia, Erenice Guerra foi aconselhada a não comparecer. Ex-chefe da Casa Civil e uma das principais auxiliares de Dilma, Erenice caiu em setembro, pouco antes do primeiro turno da eleição, acusada de tráfico de influência e nomeação de parentes e amigos que faziam negócios dentro do governo.

 

Marina Silva, que trocou o PT pelo PV e foi adversária de Dilma na campanha, estava na plateia, e passaria despercebida se Lula não a mencionasse no discurso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.