Com camisa da seleção, iraniano reitera laço com Brasil

Com a camisa da seleção brasileira na mão, o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, mandou um recado às potências ocidentais, alertando que o tipo de relação entre Brasil e Irã deve ser considerado como um "modelo" a ser seguido pelos demais. O líder iraniano ainda afirmou hoje que o potencial de cooperação com o Brasil é "ilimitado" e que os dois países "compartilham um entendimento comum sobre temas internacionais".

JAMIL CHADE, Agência Estado

13 de abril de 2010 | 19h26

Ahmadinejad recebeu o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, no último dia de uma visita com mais de 80 empresários brasileiros que viajaram em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) até Teerã, com custos do trajeto bancados pelo governo.

A viagem foi marcada pela negociação de linhas de crédito entre os dois países, como forma de superar a pressão feita por americanos sobre bancos que estabeleçam empréstimos para empresas exportarem ao Irã. Um acordo deverá ser assinado durante a visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Teerã em meados de maio.

A reunião com Ahmadinejad se limitou a 15 minutos, mas foi o suficiente para que, na Europa, a foto de Ahmadinejad com a camisa da seleção brasileira fizesse parte de sites de notícias em toda a região. Oficialmente, Miguel Jorge não tocou em temas políticos mas, ao pedir maior cooperação, deu uma mensagem clara do Brasil a líderes de todo o mundo. "Hoje, Irã e Brazil chegaram a um entendimento claro e comum sobre temas globais e sobre suas capacidades" afirmou Ahmadinejad em um encontro com Miguel Jorge em que também foi presenteado com um livro sobre a vida de Pelé.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.