Alejandro Pagni / AFP
Alejandro Pagni / AFP

Com Bolsonaro longe do Planalto, Mourão recebe representantes de Cuba e da Argentina

Vice-presidente recebeu visitas de 'cortesia' solicitadas por diplomatas de países criticados pelo titular da Presidência

Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2019 | 19h59

BRASÍLIA – O vice-presidente, Hamilton Mourão, recebeu nesta quinta-feira, 12, representantes de Cuba e da Argentina, governos alvos de críticas frequentes do presidente Jair Bolsonaro. As visitas a Mourão ocorreram com Bolsonaro longe do Palácio do Planalto. O presidente viajou hoje para Tocantins e Rio de Janeiro. 

Ao deixar a reunião no Planalto, o embaixador de Cuba, Rolando Antonio Gómez González, lamentou mudança de postura do Brasil sob o governo Bolsonaro. O País passou a apoiar, na ONU, o embargo econômico sobre Cuba promovido pelos Estados Unidos. “Lamentavelmente se somou a esse isolacionismo de Estados Unidos e Israel, que são os únicos países do mundo que aprovam essa política contra Cuba”, afirmou González. 

Mourão disse que as visitas foram de “cortesia” e solicitadas pelos diplomatas. O vice-presidente negou que a agenda tenha sido encaixada propositalmente no dia que Bolsonaro estava distante. “Não tinha nada a ver. É o horário disponível. O presidente sabia”. 

“Eu não concordo com a política de Cuba. Disse isso ao embaixador. Temos divergências, mas temos de construir convergência sempre”, afirmou Mourão. 

Antes de visita do representante de Cuba, Mourão havia recebido Daniel Scioli, indicado por Alberto Fernández para embaixador do Brasil e candidato derrotado por Mauricio Macri na disputa a presidente de 2015. 

Mourão disse que Scioli está no Brasil para articular a sua indicação à Embaixada. “(Argentina) tem desafios e vão precisar do nosso apoio ao que for necessário”, disse. 

O vice-presidente esteve na posse de Fernández na terça-feira, 11, na Argentina. A ida de Mourão foi um recuo de Bolsonaro, que havia decidido não enviar representantes do primeiro escalão à cerimônia. 

“Quando voltei (da posse) passei relatório a ele (Bolsonaro). Ressaltei que houve parágrafo no discurso em relação ao Brasil. Foi muito importante. Demonstrou interesse que a relação entre os dois países ocorra de forma natural”, declarou Mourão. 

Mourão já recebeu opositores de Bolsonaro em outras ocasiões. Em outubro, quando o presidente viajava à Ásia, o vice se reuniu com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). O governador disse à época que a audiência já estava marcada “há algum tempo” e passou pelo aval de Bolsonaro. 

O vice-presidente, no entanto, negou nesta quinta-feira, 12, que receber opositores seja uma missão dada por Bolsonaro. “O presidente não me deu nenhuma tarefa nesse sentido”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.