Com ataques e piadas, candidatos abrem campanha eleitoral

Maioria optou por fazer evento público; somente José Serra fez reunião com a cúpula tucana

estadão.com.br

06 de julho de 2012 | 18h54

Os candidatos à Prefeitura de São Paulo deram início às campanhas eleitorais nesta sexta-feira, 6. Com eventos nas ruas ou fechados para militância dos partidos, políticos reforçaram críticas a adversários e alguns apelaram para o bom humor.

Soninha Francine (PPS) e Celso Russomanno (PRB) encontraram-se no Pátio do Colégio e fizeram questão de tirar fotos juntos. Na hora do protocolar "boa sorte", Soninha brincou: “Boa sorte, mas nem tanto, né candidato?”.

Em seu ato oficial, Soninha afirmou que é mais experiente que o candidato do PT, Fernando Haddad, e do PSDB José Serra, para gerir a cidade. Prometeu, se eleita, dar incentivos para empresas se mudarem para regiões periféricas e para que construtoras ergam edifícios de moradia popular na região central.

Russomanno abriu a campanha com uma visita ao marco zero da capital, na Praça da Sé. Falou sobre criação de emprego e na área de transportes vai defender o uso de táxi-lotação para melhorar o trânsito.

Também na parte da manhã, o candidato pelo PDT, Paulinho da Força, caminhou com cerca de 100 pessoas, entre militantes e integrantes da Força Sindical, pela região do Brás. Paulinho centrou seu discurso na educação, com propostas de criação de escola em tempo integral e de parcerias com ONGs para suprir a falta de creches.

No início da tarde, o candidato tucano José Serra, com evento realizado na sede municipal de seu partido, pediu que a campanha deste ano seja limpa, com foco em propostas para a cidade. Em sua fala, deu o tom de sua campanha, cujo objetivo será comparar as realizações da gestão Serra-Kassab com as administrações do PT na Prefeitura, com Luiza Erundina e Marta Suplicy.

A bandeira da mudança é o principal ponto do discurso do petista Fernando Haddad. Como ato inaugural, que estava marcado para às 15hs mas teve início com mais de uma hora de atraso, Haddad fez uma caminhada no centro de SP e prometeu dar continuidade ao projeto do PT na cidade e apresentar o plano de governo até o dia 14. De acordo com a argumentação dele, quatro entre cinco paulistanos querem mudança de rumo. "A nossa é uma proposta de mudança sobretudo de parceria com o governo federal". Haddad aproveitou ainda para cutucar o seu principal adversário José Serra e o prefeito de SP, aliado do tucano e deu nota 3,6 para a gestão de Kassab em SP. O próprio Kassab teria dado a si mesmo nota 10 para a sua administração.

Chalita, que optou por abrir a campanha no extremo da Zona Sul de SP, também criticou a nota de Kassab à sua gestão. Para o peemedebista, a avaliação do prefeito "é uma piada". De acordo com ele, o início de sua campanha terá como foco a periferia da cidade, tanto que nos próximos dias ele deverá visitar Itaquera e Ermelino Matarazzo, na zona leste da Capital.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.