Com apoio do PT, tucano deve ser eleito hoje na Alesp

A eleição da nova Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), nesta sexta-feira (15), às 15 horas, deve consagrar um raro acordo entre PT e PSDB que, ao final da legislatura, completará 20 anos. Desde 1995, tucanos e petistas participam da mesma chapa na eleição da Mesa. A única exceção foi em 2005, quando a base do governo rachou e apresentou duas candidaturas - o PT apoiou o candidato do DEM e ajudou a derrotar o PSDB.

AE, Agência Estado

15 de março de 2013 | 09h01

O atual líder do governo, deputado Samuel Moreira (PSDB), deve ser eleito presidente com enorme maioria de votos. Seu único opositor é Carlos Giannazi (PSOL), líder dele mesmo e provavelmente candidato de um voto só - o seu próprio. Ênio Tatto (PT) ficará com a primeira secretaria, que cuida dos departamentos de Finanças e Recursos Humanos, e Edmir Chedid (DEM) será o segundo secretário, responsável, entre outras coisas, pelas obras e pela frota de veículos da Assembleia.

A composição rompe uma tradição do parlamento de ocupação da segunda secretaria pelo partido com a terceira maior bancada - atualmente o PV, com sete deputados. PT e PSDB, no entanto, decidiram mantê-la com o DEM, que tem seis. Para contemplar os verdes, os tucanos abriram mão da primeira vice-presidência, que será ocupada por Chico Sardelli (PV). O cargo ganhou importância porque uma eventual renúncia do vice-governador Guilherme Afif Domingos (PSD) para assumir um ministério no governo federal coloca Samuel Moreira como o segundo na sucessão estadual.

Gianazzi afirma que será candidato porque não quer "participar do consórcio para lotear os cargos da Assembleia". "Vão legitimar ainda mais a falta de independência do Legislativo, que só homologa as decisões do governo Alckmin. É um absurdo que os partidos tenham se curvado a essa lógica pragmática."

O líder do PT, Alencar Santana, sustenta que só será possível não se colocar de acordo com os tucanos quando o partido conseguir formar uma maioria na Casa. "Enquanto não tivermos, infelizmente vamos ter que compor a Mesa", diz ele. "Temos que participar das decisões. Não podemos estar fora. Uma coisa é oposição ao governo, outra é a Assembleia. A Mesa é dirigida pelo conjunto dos deputados." Ele diz que o acordo com o PSDB é "razoável", mas defende que a presidência deveria ser do PT. Samuel Moreira não tem dado declarações à imprensa. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
AlespeleiçãomesaPTPSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.