Com apenas 3 deputados, PSOL vive crise interna

Luciana Genro vê ''machismo'' em atitudes de Ivan Valente, líder da bancada na Câmara

Luciana Nunes Leal, O Estadao de S.Paulo

14 de julho de 2009 | 00h00

Nascido de uma dissidência do PT em 2004, o PSOL tem uma minúscula bancada de três deputados, mas vive uma crise digna de partido grande. Irritada com o colega Ivan Valente (SP), líder do trio na Câmara, a gaúcha Luciana Genro enviou carta à direção partidária, na quinta-feira passada, acusando-o de "machismo" e "desequilíbrio". Ivan reagiu e disse que a colega está isolada e tornou pública sua insatisfação em um ato de "desespero". No meio da confusão está o deputado Chico Alencar (RJ), que tenta apagar o incêndio. "Somos tão jovens e ainda incipientes que não suportamos uma desavença nesses termos. Há elementos de temperamento e de personalidade de cada um. Eles não precisam ser amigos, se tratar com ternura, mas é preciso se colocar no patamar da boa relação política", diz Alencar. Nem mesmo a coesão do PSOL nas votações em plenário sobreviveu. A bancada se dividiu na votação de um dos itens da reforma eleitoral. Luciana foi a favor da liberação do uso de outdoors nas campanhas. Os outros dois deputados foram contrários. Por causa dessa divergência, a relação entre Luciana e Valente azedou de vez. A deputada - filha do ministro da Justiça, o petista Tarso Genro - não gostou quando o líder disse que ela fez um "roubo de galinha" ao defender os outdoors, quando tinha sido destacada para falar em favor do uso de carros de som em campanhas. Luciana não reagiu de imediato, mas no dia seguinte mandou a carta indignada à Executiva Nacional do PSOL. Reunida na sexta-feira, a Executiva reiterou "apoio e confiança integral em seu líder na Câmara". Anunciou, no entanto, uma nova reunião, em data a ser definida, desta vez com a presença da presidente do partido, a vereadora de Maceió Heloísa Helena. "Não será por falta de moderadores que a crise deixará de ser superada", informa a nota do partido. Antes da briga por causa dos outdoors, o delegado Protógenes Queiroz, afastado da Polícia Federal depois de comandar a Operação Satiagraha, foi pivô de outro desentendimento entre Luciana e Valente. O líder do PSOL reclamou que o grupo liderado pela deputada, chamado Movimento de Esquerda Socialista (MES), monopolizava os convites a Protógenes para participar de seminários e atos públicos. Na carta com queixas contra Valente, Luciana disse que o delegado ficou "espantado" com a reação do líder e que Protógenes poderia até se afastar da legenda.Nos últimos dias, as notícias de que Protógenes resolveu se filiar ao PDT para disputar uma vaga de deputado federal foi outro revés para o PSOL. Embora as negociações com os pedetistas estejam de fato avançadas, o delegado ainda não anunciou formalmente a decisão e disse aos amigos que só em setembro dará a palavra final.Assim como o PT, embora muito menor, o PSOL está dividido em várias tendências. As duas maiores são o MES, de Luciana Genro, e a Ação Popular Socialista (APS), de Valente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.