Com Aníbal e Semeghini, Alckmin fecha primeiro escalão

Governador eleito de SP anunciou que ficará para a próxima semana a escolha dos nomes que presidirão as empresas

Anne Warth, Agência Estado

30 Dezembro 2010 | 13h27

O governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), concluiu hoje a montagem de sua equipe de secretários estaduais, com a indicação do deputado federal reeleito José Aníbal (PSDB) para a Secretaria de Energia e do deputado federal reeleito Júlio Semeghini (PSDB) para a Secretaria de Gestão Pública, além da manutenção do atual secretário estadual de Agricultura e Abastecimento, João de Almeida Sampaio Filho, no cargo.

 

Alckmin anunciou que ficará para a próxima semana a escolha dos nomes que presidirão as empresas, autarquias e fundações estaduais, como a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), Companhia Energética de São Paulo (Cesp), Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) e Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb). "É a próxima etapa. Vamos nos debruçar nisso agora. Uma parte já está conversada, outra ainda não", disse Alckmin, sem entrar em detalhes.

 

O governador eleito decidiu extinguir a Secretaria de Comunicação e a transformar numa coordenadoria. Ele já havia resolvido acabar com a Secretaria de Relações Institucionais e com a Secretaria de Ensino Superior, mas criou as Secretarias de Gestão e Desenvolvimento Metropolitano, Turismo, desmembrada de Esporte, e Energia, separada de Saneamento. Com isso, manteve o número de 26 secretarias do governador anterior, José Serra (PSDB). "Acho mais importante que São Paulo tenha secretarias de Energia, Turismo e Gestão Metropolitana, que são coisas que servem mais diretamente à população, que uma Secretaria de Comunicação. Basta uma coordenadoria", afirmou.

 

"Procuramos trazer para participar do governo, que é uma tarefa coletiva, os melhores nomes que pudemos, com experiência de vida na área, ética, competência, unidade e ação coletiva", afirmou Alckmin. "É um time preparado", disse o governador eleito. A primeira reunião do secretariado de Alckmin deve ocorrer já no dia 1.º de janeiro, às 8h30. "Não vamos perder tempo. Daremos continuidade e vamos criar novos projetos para o Estado de São Paulo."

 

Ao contrário do que se esperava, Alckmin não fechou acordo com o PMDB, que pleiteava a Secretaria de Agricultura e Abastecimento. "Serão quatro anos de governo e vamos estar sempre conversando com o PMDB para ajudar a população", disse. "Vários dos secretários que eu indiquei nem sei a que partidos pertencem", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.