Com anexo, PSDB ameaça não votar Orçamento 2008

Líder diz que anexo criou 'espécie de orçamento paralelo', destinando R$ 534 mi para emendas de 'poucos'

Agência Brasil

10 de março de 2008 | 17h18

O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio Neto (AM), reafirmou, em nota à imprensa nesta segunda-feira, 10, que o partido não votará a proposta de  Orçamento para 2008 sem a retirada do Anexo de Metas e Prioridades. Mais cedo, em reunião da coordenação política, Os partidos aliados do governo disseram que pretendem votar a proposta de Orçamento nesta semana mesmo sem alcançar um acordo com a oposição.  O senador disse que o anexo criou "uma espécie de orçamento paralelo", destinando R$ 534 milhões para emendas de "poucos parlamentares" integrantes da Comissão Mista de Orçamento. "Denunciamos essa manobra, que é inaceitável", afirmou o senador.  Ele também criticou as declarações feitas pelo presidente Lula sobre a demora na apreciação do Orçamento de 2008 pelo Congresso. De acordo com o líder tucano, a votação do orçamento ainda não aconteceu por culpa da própria base governista.  O presidente do Senado reconheceu que não votar o Orçamento de 2008 esta semana dificultaria ainda mais a sua apreciação por conta do feriado da Semana Santa, no fim de março. "Ninguém apele para as bênçãos da Semana Santa para votar isso. A Semana Santa é abençoada para algumas coisas, para isso não". Apesar de dar razão ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva que cobrou do Congresso em seu programa de rádio Café com Presidente, a votação do orçamento esta semana, Garibaldi afirmou que "ele deveria cobrar mais de suas lideranças para que se possa chegar a um acordo".

Tudo o que sabemos sobre:
Orçamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.