Com acesso restrito, Cinelândia será palco para discurso de Obama

Em praça célebre por atos políticos pela liberdade, ninguém entrará com bolsa, nem sem identidade, para ouvir o presidente dos Estados Unidos

Wilson Tosta, de O Estado de S. Paulo

14 de março de 2011 | 17h51

RIO - Em seu pronunciamento, neste domingo, 20, dirigido a "todos os brasileiros", o presidente dos EUA, Barack Obama, discursará para uma Cinelândia isolada por fortes medidas de segurança - diferentemente da tradição do local, principal palco de manifestações políticas históricas - e abertas - na cidade. A embaixada americana confirmou que o pronunciamento acontecerá na praça, à qual só terá acesso quem carregar nada além de documento de identidade e carteira de dinheiro - bolsas, sacolas e pacotes estão vetados.

 

A restrição é parte das medidas que serão tomadas para proteger o visitante, que deverão incluir mudanças no trânsito e forte policiamento. Nesta segunda-feira, 14, no fim da manhã, houve nova visita ao Municipal para checagem de segurança, mas nem o Consulado-Geral dos EUA no Rio, nem autoridades estaduais deram oficialmente detalhes a respeito.

"No próximo domingo, 20, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fará um discurso na Cinelândia, na cidade do Rio de Janeiro. O evento, que acontecerá no período da tarde, será gratuito, aberto ao público e é direcionado a todos os brasileiros. Haverá tradução. Mais informações serão divulgadas em breve", afirmou o Consulado, em curta nota.

O discurso de Obama deverá começar a partir das 15h, mas o acesso à Praça Floriano (nome oficial da Cinelândia) será permitido a partir das 11h30. Haverá tradução simultânea para o português. O presidente americano deverá falar a partir do teatro, mas sua exata posição ainda não foi divulgada. Antes, o presidente deverá visitar o Corcovado, a partir das 9h30, seguindo de lá para a Cidade de Deus, com horário inicial previsto para 10h30. Obama chegará ao Rio no fim da tarde ou início da noite de sábado, devendo dormir duas noites na cidade - sua partida para o Chile só acontecerá na segunda-feira, 21. Funcionários que trabalham para o corpo diplomático americano reconheceram que as incertezas sobre a agenda podem fazer parte das medidas do Serviço Secreto para ajudar na proteção ao presidente.

As medidas de segurança vão, evidentemente, se estender aos outros pontos programados para receber Obama - até esta tarde, não oficializados, mas praticamente certos. A ida ao Corcovado do casal presidencial americano é vista como programa "familiar" e, pelas características do local, terá acesso restrito, mesmo para equipes de imprensa. Uma possibilidade é que apenas um grupo de jornalistas credenciados como setoristas na Casa Branca e uns poucos representantes dos órgãos de imprensa brasileiros - em torno de dez - tenham acesso permitido. Em todos os eventos, segurança do presidente será feita pelos americanos, mas o Batalhão de Operações Especiais (Bope)e o Batalhão de Polícia de Choque (BPChoq), cuidarão do entorno.

Detalhes da programação de Obama foram ontem objeto de conversa do embaixador dos EUA, Thomas Shannon, com o governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) e o prefeito Eduardo Paes (PMDB), no Palácio Guanabara. Após o encontro, o governo e a prefeitura divulgaram notas oficiais praticamente idênticas à da embaixada, confirmando o discurso de Obama para a Cinelândia. Os americanos chegaram a examinar outros locais - por exemplo, o Maracanãzinho. Um dos fatores que preocupam é o tempo. Uma chuva forte, na verdade bastante comum nesta época do ano no Rio de Janeiro, poderia esvaziar de público o discurso de Obama. O governo estadual também já manifestou informalmente o temor de que um domingo de sol (e com praia) "roube" assistência do mandatário dos EUA.

Um dos problemas enfrentados pela equipe que prepara a vinda de Obama envolve o helicóptero presidencial. A aeronave, por ser muito grande, não pode pousar no campo da Coordenadoria Adjunta de Operações Aéreas (CAOA, ex-CGOA), na Lagoa Rodrigo de Freitas, principal heliponto da zona sul. A alternativa será provavelmente usar o campo do Flamengo. Em sua visita à Cidade de Deus, o aparelho deverá utilizar o Aeroporto de Jacarepaguá ou o Autódromo, de onde Obama se deslocará, em carro blindado trazido dos Estados Unidos, para na favela. Apesar de ainda ter tráfico ativo, a Cidade de Deus atraiu a atenção da segurança presidencial por ser plana e ter ruas um pouco mais largas, características que facilitam as manobras de veículos, diferentemente de favelas na zona sul da cidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.