Com 50 pontos, Alckmin liquidaria eleição em São Paulo já no 1º turno

Pesquisa contratada pelo 'Estado' e pela TV Globo mostra tucano com 50% das intenções de voto contra 14% de Mercadante (PT)

Jair Stangler, do Estadão.com.br, Daniel Bramatti e Adriana Carranca, de O Estado de S.Paulo,

31 Julho 2010 | 08h50

O ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), venceria a disputa pelo governo do Estado no primeiro turno, segundo pesquisa Ibope/Estado/TV Globo. O tucano lidera com 50% das intenções de voto. O candidato do PT, Aloizio Mercadante, aparece com 14% e Celso Russomanno (PP), com 9%.Fabio Feldman (PV), Paulo Búfalo (PSOL) e Paulo Skaf (PSB)têm 1% cada um. Luiz Carlos Prates, o Mancha (PSTU), Igor Grabois (PCB) e Anaí Caproni (PCO) não pontuaram. Brancos e nulos somam 10% e 13% estão indecisos.

 

 

A soma das intenções de voto dos adversários de Alckmin chega a 26%, praticamente metade do índice alcançado pelo tucano. Para vencer no primeiro turno, um candidato precisa obter mais votos que os adversários somados.

 

Na pesquisa espontânea, aquela em que os entrevistados manifestam suas preferências antes de ver a lista dos candidatos, o candidato tucano aparece com 13%, contra 5% de Mercadante.

 

Foram ouvidos 1204 eleitores do Estado de São Paulo durante os dias 27 e 29 de julho. A pesquisa está registrada no TRE/SP sob protocolo nº 57764/2010 e no TSE sob protocolo nº 20791/2010.O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima estimada é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

 

"Recall". A grande diferença entre os índices de Alckmin nas pesquisas espontânea e estimulada indica que o tucano está sendo beneficiado pelo fenômeno do "recall". Ex-governador e candidato a prefeito de São Paulo em 2008, o tucano tem seu nome consolidado entre o eleitorado.

 

Alckmin e Russomanno são os menos rejeitados entre os principais candidatos - respectivamente, 13% e 12% dos entrevistados dizem que não votariam neles de jeito nenhum. Já o candidato do PT tem 17% no quesito rejeição.

 

Além de perguntar aos eleitores paulista em que vão votar no dia 3 de outubro, o Ibope avaliou a expectativa de vitória na disputa pelo governo do Estado. Na expectativa de 60%, Alckmin, que já governou o Estado entre 2001 e 2006, voltará ao cargo em 2011. Apenas 8% dizem que Mercadante será o próximo governador.

 

Índices. O candidato do PSDB alcança 73% das intenções de voto entre os eleitores que consideram o atual governo ótimo ou bom.

 

Mercadante estava em um evento de campanha e não pôde ser contatado. Apesar do resultado desfavorável, contudo, a equipe de campanha do petista diz estar confiante no "efeito Lula" no horário eleitoral gratuito, que entra no ar no dia 17. O foco principal da campanha televisiva será fixar Mercadante como o candidato do presidente. "Nosso objetivo é que o eleitor tome conhecimento de que Mercadante é candidato do Lula", disse o marqueteiro da campanha do petista, Augusto Fonseca, responsável pela campanha vitoriosa de Marta Suplicy (PT) para a Prefeitura de São Paulo, em 2000.

 

Responsabilidade. Já Alckmin, que estava em Ribeirão Preto, disse ter ficado satisfeito com o resultado da pesquisa. "Tenho de agradecer a enorme manifestação de confiança da população do Estado de São Paulo, o que aumenta a nossa responsabilidade", afirmou o tucano. "Recebo (o resultado da pesquisa) com alegria e com humildade. A eleição ainda está longe, agora é que está começando, mas é um bom começo. "Agradeço e vamos trabalhar muito, e muito pé no chão."

 

Ribeirão foi a quarta agenda do dia de Alckmin, ontem. Antes esteve em São Roque, Valinhos e Rio Claro, e ainda seguiria para Indaiatuba, para um último compromisso.

 

O tucano enfatizou que a campanha está caminhando bem. "Estou estudando o máximo possível pra ter o melhor programa de governo em benefício da população", disse Alckmin.

 

O candidato do PSDB caminhou rapidamente pelo calçadão, no centro de Ribeirão Preto, e tomou um chope no tradicional bar Pinguim. Depois encerrou a agenda com a inauguração do comitê do deputado Antônio Duarte Nogueira Júnior (PSDB), que foi seu secretário de Agricultura no governo de São Paulo. Aloysio Nunes (PSDB), candidato ao Senado, acompanhou Alckmin em Ribeirão Preto. / COLABOROU BRÁS HENRIQUE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.