Divulgação
Divulgação

Com 33 deputados, bancada do PSB na Câmara fecha questão a favor da cassação de Cunha

Decisão foi tomada em reunião com deputados na noite de segunda-feira, 8

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

09 Agosto 2016 | 13h00

BRASÍLIA - Com uma bancada de 33 parlamentares, o PSB fechou questão a favor da cassação do ex-presidente da Câmara e deputado afastado, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A decisão foi tomada em reunião da bancada na noite dessa segunda-feira, 8.

"A bancada do PSB na Câmara dos Deputados, em reunião realizada na noite desta segunda-feira (8), fechou questão e votará, por unanimidade pela cassação de Eduardo Cunha", diz nota oficial divulgada pela bancada nesta terça-feira. 

Também na segunda-feira, foi lido no plenário da Câmara o parecer pela cassação do mandato de Cunha aprovado pelo Conselho de Ética. Com a leitura, o pedido entra como prioridade na pauta de votações em até duas sessões ordinárias. A prioridade, no entanto, não obriga que seja votado.

A definição da data caberá ao presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ). Sob pressão da antiga e da atual oposição na Casa, Maia prometeu a líderes que vai tratar do assunto nesta quarta-feira, 10.

“Os prazos regimentais serão respeitados, e a partir daí a data será marcada”, disse Maia em uma rápida entrevista nessa segunda. Na semana passada, ele havia afirmado que só trataria da cassação de Cunha após a votação do projeto de renegociação da dívida dos Estados com a União, prevista para esta terça-feira.

Articulação. Por temor de retaliações de Cunha, interlocutores do Palácio do Planalto na Câmara  trabalham para que a votação do caso dele no plenário da Casa só aconteça após a conclusão do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff.

Membro da chamada tropa de choque de Cunha, o deputado Carlos Marun (MS), vice-líder do governo e do PMDB na Câmara, defende que o ideal seria que a votação só ocorresse após as eleições municipais. Para ele, isso aumentaria as chances de Cunha se salvar. “Se fosse voto secreto, ele não seria cassado”, diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.