Colunista social é preso acusado de pedofilia

O radialista, colunista social e comerciante José Roberto Gasparini, de 36 anos, foi preso sob acusação de pedofilia. A prisão ocorreu na terça-feira, depois de a polícia de Serra Negra, no interior de São Paulo, ter recebido pelo correio, anonimamente, 70 cópias das fotografias. Com mandados de busca e de prisão emitidos pela Justiça, os policiais foram até o apartamento onde o prenderam com um amigo. No apartamento foram encontradas dezenas de fotografias de conteúdo pornográfico, todas com adolescentes.O amigo do radialista não teve a identidade revelada pela polícia. Ainda não há confirmação de que ele tenha participado do crime. Por medida de segurança, os dois ocupam uma cela especial na cadeia de Serra Negra, longe de outros presos.O radialista irá responder pelas acusações de corrupção de menores e desrespeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente. A polícia investiga ainda se Gasparini distribuía as fotos pela internet.Pelo menos quatro dos sete menores que apareceram nas imagens foram identificados pela polícia, que já ouviu três deles. Segundo o investigador Primo Sérgio Pauli Anghinoni, o conteúdo dos depoimentos está mantido em sigilo. Ele informou que hoje a polícia deverá identificar e ouvir outros três jovens que aparecem nas imagens. O investigador disse que Gasparini confirmou ter praticado sexo com os adolescentes e disse que tirava as fotos para sua "satisfação pessoal". De acordo com Anghinoni, os sete rapazes têm família e residência fixa.Um deles, de 14 anos, disse a uma emissora de tevê que recebia R$ 70 para fazer sexo. A vítima revelou que foi à casa de Gasparini com um amigo, para assistir a um filme pornográfico. Quando quis sair, o radialista o impediu, perguntando porque ele havia subido.Depois de receber dinheiro, a vítima concordou em praticar sexo. Ele disse ter voltado outras vezes, novamente por causa do dinheiro. O adolescente disse que o próprio radialista tirava as fotografia e afirmava que ia guardá-las no cofre. Mas o garoto garantiu tê-lo visto transferindo as imagens para o computador. "Eu vi as fotos no computador", disse.O crime abalou os moradores de Serra Negra, estância turística localizada no Circuito das Águas. "Estou chocado", disse o garçom Edvaldo de Souza. A comerciante Bianca Corazzin disse que conhecia o acusado há muito tempo e ele sempre havia demonstrado ser uma pessoa séria. Um pedreiro, pai de uma das vítimas identificadas pela polícia, disse que ainda está assimilando o fato. "Minha cabeça está perturbada até agora", disse.O investigador afirmou que Gasparini deverá permanecer preso em Serra Negra em cela especial porque tem diploma de curso superior. Ele é formado em História, mas não exerce a profissão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.