Collor recomenda a Dilma diálogo com o Congresso

Afastado da Presidência depois de um processo de impeachment, o ex-presidente Fernando Collor de Mello (PTB-AL) mandou ontem um recado para a presidente Dilma Rousseff. Atribuindo sua queda a problemas de articulação política, o senador recomendou ao Planalto diálogo com o Congresso.

EQUIPE AE, Agência Estado

14 de março de 2012 | 22h40

"O diálogo precisa ser reaberto. Esses canais de entendimento do Planalto com esta Casa e com a outra precisam estar inteiramente desobstruídos. É fundamental que o Planalto ouça esta Casa e ouça a Casa ao lado", disse Collor.

"E digo isso com a experiência de quem, exercendo a Presidência da República, desconheceu a importância fundamental do Senado e da Câmara dos Deputados para o processo democrático e de governabilidade. O resultado desse afastamento meu, então Presidente da República, do Legislativo brasileiro redundou no meu impeachment, no meu afastamento", completou o senador.

Collor disse esperar que a saída do senador Romero Jucá (PMDB-RR) e do deputado Candido Vaccarezza (PT-SP) das lideranças do governo no Senado e na Câmara não desestabilize a base de apoio de Dilma no Congresso. "Não vejo com tanta tranquilidade, como alguns estão vendo, essa transição e essa mudança de lideranças. Não enxergo assim. Gostaria de estar errado, mas é um momento extremamente delicado. Muito delicado, muito. A base do governo está sentindo um gosto de certo azedume", afirmou, em plenário.

Tudo o que sabemos sobre:
CollorDilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.