Coligação do PSB nega ilegalidade em transferência

A coligação Unidos pelo Brasil, da candidatura à Presidência de Marina Silva (PSB), emitiu uma nota de repúdio à matéria publicada pelo jornal O Dia, com título "Depois de morto, Eduardo ''doa'' R$ 2,5 mi a Marina". Segundo a nota da coligação, a matéria é baseada em "opiniões jurídicas equivocadas" e demonstra desconhecimento da lei eleitoral.

Estadão Conteúdo

09 de setembro de 2014 | 17h25

A coligação alega que a movimentação bancária se deu entre a conta do candidato, que faleceu, e a do comitê financeiro da campanha, e que portanto não houve "doação à conta de Marina". A nota também alega que não houve ilegalidade nesse procedimento, pois a lei eleitoral permite movimentação de recursos, mesmo após falecimento do candidato, para honrar compromissos assumidos pela campanha.

"É errônea a informação de que o dinheiro em conta do candidato deveria ter sido ''retido'' como ''sobra de arrecadação''. Segundo a lei, a sobra de arrecadação é apenas a ''diferença positiva entre os recursos arrecadados e os gastos realizados em campanha'' (cf. art. 39 da Res. TSE 23.406). Os recursos da conta, portanto, não eram sobras, pois se destinaram a honrar os compromissos financeiros assumidos pela campanha", diz o documento.

A reportagem publicada hoje pelo O Dia alega que o PSB teria feito a transferência de recursos em dinheiro vivo, no dia 14 de agosto, um dia após a morte de Campos. Segundo especialistas ouvidos na matéria, em condição de anonimato, a transação não poderia ter acontecido.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesPSBtransferênciaCampos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.