Coletora recebeu ordem para não citar Jader

A coletora da Secretaria de Fazenda em Paraíso doTocantins, Eliana Pereira, recebeu ordens superiores para não citar o nome do presidente do Senado, Jader Barbalho(PMDB-PA), no depoimento que deu na última sexta-feira, na Polícia Federal.Eliana contou, na semana passada, que o empresárioRomildo Onofre Soares ? aliado político de Barbalho em Altamira ? teria dito a pessoas na cidade que conseguia recursos daSuperintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam) com facilidade, mas 10% eram destinados ao senador.Na PF, Eliana disse que Romildo, em uma das vezes que esteve na coletoria de Paraíso do Tocantins, afirmou que já haviagasto R$ 600 mil com deputados, funcionários da Sudam e projetistas para que seus projetos fossem liberados.Mas ela nãocitou o nome de Jader Barbalho, como fizera em uma entrevista coletiva, no início da semana.Segundo fontes ligado ao governo do Estado, Eliana Pereira foi aconselhada pela secretária de Fazenda, Maria Cristina Cabral, a não mencionar Jader durante o depoimento na Polícia Federal, para evitar desgaste.A Secretaria de Comunicaçãodo governo disse que Cristina só irá falar nesta segunda-feira sobre o assunto.A coletora já havia falado sobre o presidente do Senado em 1999,segundo consta no depoimento do corregedor-geral da Secretaria da Fazenda, Rodrigo Lacombe. Ele afirmou, em julho domesmo ano, que a coletora soube por meio de empresários locais que havia um esquema em favor de Barbalho.Nesta segunda-feira, o delegado Hélbio Dias Leite, que preside o inquérito sobre as fraudes na Sudam, vai ouvir o ex-coletor de impostos daprefeitura de Paraíso do Tocantins, Luiz Antônio Barbosa de Carvalho, que ouviu de Romildo a afirmação de que era amigo dopresidente do Senado.Além disso, segundo Eliana contou na entrevista coletiva, Carvalho chegou a comentar sobre um esquemade caixinha na Sudam, onde estaria envolvido o nome de Barbalho.Os irmãos empresários, Eudes e Eneuses Afonso Pereira, também serão ouvidos nesta segunda na PF. Eles teriam se reunidoinformalmente com Romildo Soares, segundo Eliana, justamente no dia em que o aliado político de Jader Barbalho falou sobre oesquema de propina.Os dois não querem falar sobre o assunto, enquanto Luiz Antônio Carvalho confirma que Romildo lhe havia dito que era amigo do presidente do Senado.Na semana passada, Eliana Pereira foi interpelada judicialmente por Romildo Soares. Na petição, o advogado do empresário,Célio Moura, faz menção principalmente a Jader, que também prometeu interpelar a coletora de Paraíso do Tocantins.Eliana foi aresponsável pela descoberta do esquema de fraudes na Sudam ao constatar diversas irregularidades no processo deregularização de quatro projetos de Romildo Soares, que usou empregados seus como laranjas na abertura das empresas.Elaencaminhou o caso para Lacombe, que acionou o Ministério Público Federal e a PF, em julho de 99.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.