Colegas prestigiam lançamento da biografia de Genoino

Petistas de diferentes tendências improvisaram na segunda-feira um ato de desagravo ao ex-presidente do PT José Genoino - que renunciou ao cargo em 2005, em meio ao escândalo do mensalão -, no lançamento da sua biografia, Entre o Sonho e o Poder, de Denise Paraná, na livraria Argumento, no Rio de Janeiro. Entre goles de refrigerante e água mineral, políticos da sessão fluminense do partido cumprimentaram efusivamente o companheiro, que voltará à Câmara dos Deputados em fevereiro, após quatro anos fora da Casa. Para Genoino, de 60 anos - 40 de militância na esquerda - o lançamento foi mais uma oportunidade para repetir a sua versão para os acontecimentos que quase liquidaram sua carreira política. "Fui muito atacado pelo que era, não pelo que fiz", afirmou, sorridente. "No livro, faço uma prestação de contas e relato os episódios de 2005. Conto que avalizei dois empréstimos para o PT, legais, corretos e que estão contabilizados". "Eu na época não era deputado. Meus sigilos bancário e fiscal foram quebrados, nada encontraram", continuou o petista. "Meu patrimônio é o mesmo de 24 anos atrás". Ao responder se realizaria novamente as operações pelas quais foi acusado, no entanto, o petista se fechou. "Não vou discutir essa questão", reagiu. Genoino deixou o cargo depois que um assessor de seu irmão, o deputado estadual José Nobre Guimarães, foi preso com R$ 200 mil em uma mala e outros US$ 100 mil acondicionados em um cinturão escondido na cueca. Ele destacou que o livro conta toda a sua vida, desde a infância no Ceará, passando pela militância estudantil e a guerrilha do Araguaia, pelo PCdoB. "Contribuí para o partido", disse o ex-presidente petista, que cumprimentou alegremente os visitantes, cuja presença agradeceu com abraços apertados. O prefeito de Nova Iguaçu, Lindberg Farias (PT), foi um dos que foram cumprimentá-lo. "Genoino é uma pessoa muito honrada", disse. "Acho que pagou um preço por ser presidente do partido naquele momento, mas sempre cuidou das relações institucionais do partido. Não das finanças". Ele garantiu que as manifestações de desagravo ao companheiro não foram combinadas. "Eu soube por acaso desse lançamento", contou. Os deputados federais Jorge Bittar e Luís Sérgio Nóbrega, o deputado estadual Gilberto Palmares, o dirigente do BNDES Elvio Gaspar e o presidente do PT fluminense, Alberto Cantalice, entre outros, também fizeram fila para receber no livro os autógrafos de Genoino e da autora. Pelo menos uma freqüentadora, não-identificada, protestou discretamente contra a presença do ex-presidente do PT. "Agora é que não fico aqui mesmo", disse à outra mulher que a acompanhava. Foi o terceiro lançamento da obra: os anteriores foram em São Paulo e Brasília, em 2006.

Agencia Estado,

23 Janeiro 2007 | 13h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.