Colaboradora de Waldomiro será denunciada por falso testemunho

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Loterj/Rioprevidência da Assembléia Legislativa fluminense vai denunciar por falso testemunho a ex-chefe de gabinete da Loterj Ana Cristina Moraes Sena, que trabalhou na autarquia quando Waldomiro Diniz foi seu presidente e é funcionária do Ministério da Articulação Política. A servidora, que, segundo o presidente da comissão, Alessandro Calazans (PV), mentiu em seu depoimento aos deputados, na semana passada, deverá enfrentar outros processos relacionados ao escândalo, porque é acusada de subtrair documentos e obstruir o trabalho da comissão do governo que investigou o caso. Em seu depoimento, a servidora disse que não era responsável por processos de licitação na Loterj, mas a CPI descobriu que ela assinou, em 19 de novembro de 2002, um contrato no valor de R$ 51 milhões com a Hebara Distribuidora de Produtos Lotéricos S/A. O Ministério Público também deverá requerer a abertura de inquérito contra a servidora na Polícia Federal. Atualmente, Ana ocupa um cargo DAS-4 no Ministério da Articulação Política, mas está licenciada. Originalmente, era chefe de gabinete de Waldomiro na Subchefia de Assuntos Parlamentares da Casa Civil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.