Divulgação/Bancada feminista do PSOL na Câmara
Divulgação/Bancada feminista do PSOL na Câmara

Covereadora do PSOL diz que foi alvo de atentado a tiros e registra B.O.

Carolina Iara divide o mandato com outras quatro mulheres na Câmara de São Paulo

Paula Reverbel, O Estado de S.Paulo

27 de janeiro de 2021 | 17h31
Atualizado 27 de janeiro de 2021 | 20h35

A covereadora do PSOL em São Paulo Carolina Iara de Oliveira registrou nesta quarta-feira, dia 27, um boletim de ocorrência após ter sofrido um atentado a tiros em sua casa. De acordo com o boletim, registrado na sede da Polícia Civil do Estado de São Paulo, o ataque ocorreu na madrugada de anteontem, por volta das 2h10 da manhã. 

Em seu relato à polícia, Carolina Iara afirmou que ela e sua mãe ouviram os tiros e permaneceram dentro de casa. Pela manhã, segundo Iara, elas encontraram marcas deixadas por balas – uma no muro no quintal da residência e outra na parede.

Imagens de câmeras de segurança da vizinhança, as quais o Estadão teve acesso, mostram um veículo branco estacionado em frente a residência de Carolina Iara. “Um desconhecido desce rapidamente do veículo e depois retorna rapidamente”, diz o B.O. Pelo vídeo, não é possível ver claramente a placa do carro. “A vítima afirma desconhecer quem seja o autor dos fatos, pois após se eleger ao cargo de covereadora municipal pelo PSOL, se tornou uma pessoa pública e tal fato pode ser a motivação do ocorrido”, diz o boletim.

Carolina Iara divide o mandato de vereadora com outras quatro mulheres – Silvia Ferraro, Paula Nunes, Dafne Sena e Natália Chaves. Ela é uma mulher negra, travesti e soropositiva que representa as bandeiras desses grupos na Câmara de São Paulo. “A gente não pode permitir que São Paulo repita a história do Rio de Janeiro e tenha uma Marielle Franco aqui nessa cidade. Uma Marielle Franco trans”, disse em coletiva após registrar o boletim de ocorrência, em referência à vereadora carioca morta a tiros em 2018.

Em nota, a Oxfam Brasil – uma entidade ligada à Oxfam Internacional, que é uma confederação de organizações do terceiro setor – manifestou “indignação e preocupação com mais um caso de violência política contra uma mulher negra eleita no País”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.