CNT/Sensus: Serra só vence Dilma na Região Sul

Por sua vez, a petista retomou a liderança entre os eleitores do Norte e do Centro-Oeste

Leonardo Goy, da Agência Estado,

27 de outubro de 2010 | 11h56

BRASÍLIA - O candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, só vence sua adversária, a petista Dilma Rousseff, no Sul do País, região em que, inclusive, ampliou sua vantagem, de acordo com pesquisa da CNT/Sensus divulgada nesta manhã. No entanto, Dilma retomou a liderança nas preferências de intenção de voto entre os eleitores do Norte e do Centro-Oeste e ampliou a vantagem sobre Serra no Sudeste e no Nordeste.

 

Veja também:

link CNT/Sensus: Dilma tem 51,9% das intenções de voto; Serra, 36,7%

 

Na Região Sul, o aumento da preferência dos eleitores pelo tucano subiu de 45,1%, em levantamento na semana passada, para 54% agora. Já Dilma perdeu votos na região, passando de 38,2% para 35,4%. No Norte/Centro-Oeste, Serra liderava na pesquisa anterior com 52,6%, ante 42,1% de Dilma. Agora, a petista aparece com 50,7% e Serra, com 40,4%.

Com o apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que é muito popular no Nordeste, Dilma ampliou sua vantagem nos Estados dessa região. Na semana passada, Dilma tinha 57,5% da preferência contra 34,8% de Serra. Agora, a fatia de Serra caiu para 25,5%, enquanto a da petista subiu para 66,3%. No Sudeste, Dilma também ampliou a liderança. Ela passou de 44,2% para 48,4%, enquanto Serra caiu de 41,6% para 36,7%.

A pesquisa CNT/Sensus mostra ainda que cresceu a expectativa de vitória de Dilma. Na semana passada, 59,6% dos eleitores acreditavam que ela vencerá a disputa. Esse porcentual passou agora para 69,7%.

O levantamento da CNT/Sensus, com margem de erro de 2,2 pontos porcentuais para mais ou para menos, foi feito com dois mil eleitores, entre os dias 23 e 25 de outubro, em 136 municípios e foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 37609/2010.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.