CNMP: Presença de Demóstenes no MP é inconveniente

O ex-senador Demóstenes Torres permanecerá afastado do cargo de procurador no Ministério Público de Goiás por pelo menos mais 60 dias. A conselheira Cláudia Chagas, do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), prorrogou o prazo de afastamento, que terminaria neste domingo (30).

AE, Agência Estado

26 de março de 2013 | 20h53

Em sua decisão, ela considerou que a presença de Demóstenes no MP "é inconveniente ao serviço" e poderia colocar em dúvida a "credibilidade da instituição perante a sociedade". "A gravidade dos fatos investigados e sua ampla divulgação nacional acarretaram prejuízo e descrédito à imagem do Ministério Público do Estado de Goiás. Há grande constrangimento e desconforto na instituição, comprometendo inclusive o exercício normal das atribuições ministeriais", afirmou a conselheira em sua decisão.

Demóstenes Torres teve o mandato cassado por envolvimento com o bicheiro Carlinhos Cachoeira, condenado por peculato, corrupção, formação de quadrilha e violação de sigilo. Sem o mandato de senador, ele voltou ao MP para reassumir o cargo de procurador. No entanto, o CNMP abriu processo contra Demóstenes e decidiu afastá-lo das funções.

Tudo o que sabemos sobre:
CNMPDEMÓSTENES TORRES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.