CNJ quer padronizar auto de apreensão

O Conselho Nacional de Justiça estuda a implantação de um auto de apreensão padronizado para todo o País. Atualmente, as informações são repassadas manualmente uma vez por mês ao Sistema Nacional de Bens Apreendidos (SNBA). Desde janeiro foram incluídos dados sobre 3,2 milhões de bens apreendidos por determinação da Justiça brasileira. O total de apreensões equivale a um patrimônio estimado em R$ 316,4 milhões. O CNJ acredita que o auto padrão facilitará o controle dos processos e garantirá melhor gestão dos bens desde a apreensão até o destino final.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.