CNJ investigará ligação de Judiciário do AM com fraude

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu hoje abrir um procedimento administrativo disciplinar para investigar suspeitas de desvio de recursos públicos por meio de uma suposta troca de favores entre o Judiciário e a prefeitura de Coari, no Estado do Amazonas. De acordo com o CNJ, há suspeitas de que os integrantes do tribunal deram suporte a um grupo criminoso instalada no município de Coari, que estaria desviando recursos de royalties de petróleo e praticando fraudes em licitações. Todos os suspeitos negam.O procedimento foi aberto a pedido da prefeitura de Manaus, que queria a instalação de uma sindicância contra o presidente do Tribunal de Justiça (TJ) do Amazonas, desembargador Francisco das Chagas Auzier, outros dois desembargadores, quatro juízes e quatro servidores. O corregedor nacional de Justiça, Gilson Dipp, dispensou a abertura da sindicância alegando que recebeu um minucioso relatório da Polícia Federal (PF).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.