CNJ cobra TJ/MS sobre denúncia envolvendo desembargador

Em vídeo divulgado na semana passada, deputado diz ter repassado dinheiro ao tribunal e pedido ajuda a desembargador para soltar prefeito

Jair Stangler/SÃO PAULO, Estadão.com.br

28 de setembro de 2010 | 19h25

A Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça abriu um pedido de providências pedindo explicações ao Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul sobre denúncia envolvendo o desembargador Claudionor Duarte. Na semana passada, um vídeo com declarações comprometedoras do primeiro secretário da Assembleia Legislativa do Mato Grosso do Sul, deputado Ary Rigo (PSDB), foi divulgado pela internet.

 

Assista ao vídeo com as declarações do deputado Ary Rigo:

 

Veja também:

linkJustiça acata denúncia de esquema de propinas em MS

linkPapéis contradizem versão de governador de MS

 

No vídeo, o deputado relata ao ex-secretário municipal de Dourados (MS) Eleandro Passaia como funcionava esquema de divisão de dinheiro entre os poderes do Estado. "Para você ter uma ideia, nós devolvíamos dois milhões em dinheiro para o André, 900 nós dávamos para os desembargadores do TJ e 300 para o Ministério Público", diz Rigo.  "André" seria o próprio governador do MS, André Puccinelli (PMDB).

 

Ele também conta ao repórter que intercedeu junto ao desembargador Claudionor Duarte para livrar o prefeito de Dourados, Ari Artuzi, da prisão. A gravação foi feita no dia 12 de junho de 2006 pelo próprio Pessaia, que colaborou com a operação Uragano, da Polícia Federal, e ajudou a colocar 28 pessoas na prisão, entre elas, Ari Artuzi.

 

O Tribunal de Justiça do Estado negou, em nota, qualquer irregularidade e afirmou que "os repasses recebidos do Governo do Estado são previstos em lei." Na última sexta-feira, o TJ anunciou também ter interpelado judicialmente o deputado Ary Rigo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.