CNJ apura venda de decisões judiciais no Tribunal de Justiça do Paraná

Corregedor nacional de Justiça, Francisco Falcão, confirmou na manhã desta sexta-feira, 26, durante entrevista coletiva, que o órgão está apurando denúncias de tráfico de influência e venda de decisões no TJ-PR

Julio Cesar Lima, Especial para O Estado de S. Paulo,

26 Abril 2013 | 14h57

Curitiba - O corregedor nacional de Justiça, Francisco Falcão, e o juiz auxiliar da Corregedoria Geral do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Jefferson Luis Kravchychyn, confirmaram na manhã desta sexta-feira, 26, durante entrevista coletiva que o órgão está apurando denúncias de tráfico de influência e vendas de decisões judiciais no Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR). “A atuação da corregedoria será rigorosíssima e vamos agir com “mão de ferro”, doa a quem doer”, afirmou Falcão.

As denúncias atingem o presidente do TJ-PR, Clayton Camargo e o desembargador Rafael Augusto Cassetari, aposentado no início do ano. O caso teve início após uma disputa pela guarda de filhos, na qual a denunciante afirmou que Clayton e Rafael teriam recebido R$ 200 mil para beneficiar uma das partes.

Tribunal de Justiça da Bahia. Em abril, o corregedor nacional de Justiça determinou também a abertura de sindicâncias para apurar suspeitas de irregularidades no TJ da Bahia, entre as quais, erros no cálculo de precatórios e extravio de um processo, que teriam provocado excesso de R$ 448 milhões nos pagamentos.

O presidente da corte baiana, desembargador Mário Alberto Simões Hirs, um dos investigados, negou, no dia 17, a existência de qualquer irregularidade. Ele ainda ameaçou instaurar ações contra a União pela divulgação das suspeitas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.