CNJ anuncia que estenderá investigações a todos os juízes de SP

No início, eram apurados superfaturamento de 70 desembargadores; agora, serão 354 investigados

estadão.com.br,

20 de março de 2012 | 10h01

SÃO PAULO - A Corregedoria Nacional da Justiça levará as investigações sobre os rendimentos no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo para toda a corte, composta pelos 354 desembargadores e mais alguns juízes da primeira instância, segundo informou a Folha de S. Paulo. A equipe do CNJ julga que extensão das investigações representa o tratamento igualitário aos magistrados sob suspeita.

As ações do CNJ iniciadas na segunda quinzena de dezembro do ano passado recaíam apenas sobre 70 casos de desembargadores cujas folhas de pagamento tinham créditos extraordinários que alimentavam suspeitas de superfaturamento. Quanto a essa primeira fase das operações, a corregedoria já recolheu os comprovantes dos tribunais envolvidos para análise, onde magistrados estariam recebendo benefícios e algumas pendências trabalhistas antes de outros colegas.

A partir de agora, o mesmo procedimento será realizado para toda a corte, com um aprofundamento das investigações: o CNJ passará a verificar também os pagamentos de licenças-prêmio que desembargadores receberam pelos anos em que atuaram como advogados no âmbito privado, verbas corrigidas irregularmente e pagamentos realizados sem contracheque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.